Aprecie com moderação

Naquela época não era comum crianças gostarem de café. O “pretinho” era coisa para adultos. A turminha era chegada no achocolatado – que hoje migrou para a listinha dos vilões, aquela que começou com a carne e já chegou na farinha branca.

Quando criança, só tomava café na casa da tia Manoela. Ninguém entendia direito aquela pré-disposição, principalmente minha mãe, enciumada. Vai ver a tia Manoela usava café especial e ninguém sabia ou tinha feito curso de barista. Dizem que um terço do sucesso do café está na habilidade deste profissional.

Ano passado, o cardiologista me recomendou diminuir a dosagem de café. Usei o mesmo expediente de um amigo, cujo ortopedista recomendou-lhe parar com o jogo de futebol dos sábados. Troquei de médico!

Nessa semana, na sala de espera da dentista resolvi seguir o que o Carpinejar disse: fazer as crônicas no bloco de notas e não ter ritual pra escrever. Saquei meu telefone e comecei a fazer este texto, com o aparelho na horizontal. Uma moça que estava na minha frente deve ter pensado que eu estava na jogatina, pois mal olhei pra ela quando me cumprimentou.

Ali, lembrei da infância, quando ia ao dentista e como prêmio por bom comportamento ganhava uma Coca-Cola no boteco da frente. Ainda não havia aquela listinha do mal. Ao longo dos últimos 20 anos como paciente da Dra. Mariluci, poucas vezes ela sugeriu a redução do consumo de bebidas que podem escurecer os dentes, o que facilita o nosso “relacionamento”. Mal sabe ela: assim que saio de lá, vou tomar uma dose grande de espresso com leite e comer um pastel de nata na padaria da esquina, não importa o produto que a Mariluci tenha aplicado ou a recomendação que tenha dado.

Um dos pensamentos mais difundidos do poeta Mario Quintana (1906-1994) resume tudo isso: “O passado não reconhece seu lugar, está sempre presente”.

Leia também:

 

MARCELO LAMAS é cronista. Trocou o vício de Coca-Cola por café. A tendência é que não mude mais, pois há muitas marcas a serem experimentadas e cafeterias a serem conhecidas por aí.

@marcelolamasbr
marcelolamasbr@gmail.com
Facebook: @marcelolamasescritor

Foto: Pixabay

Compartilhe com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *