Aquele blazer

Há uns vinte anos, o chefe chegou à minha mesa e perguntou:

– Marcelo, teu passaporte está em dia?
– Está sim! Por quê?
– Vais para Barcelona na semana que vem!

Naquela época pré-histórica da internet, não havia muita informação disponível. Saí entrevistando os colegas viajados: “Marcelo, fica esperto! Lá está muito frio!”.

Depois do expediente fui a uma loja da cidade e pedi um blazer de lã. A vendedora estranhou, estava muito quente: “Vou ver se tem alguma coisa lá em cima, no estoque”. Ela voltou de lá com um casaco dentro de uma capa e disse: “Só temos esse “filho único”. Coloquei o blazer e parecia ser um sob medida. A peça não tinha preço. Ela puxou outro casaco da arara, com uma etiqueta de promoção e me disse: “Vou fazer por esse valor aqui”. Paguei os R$ 100,00 e fui embora faceiro. Fiz a viagem e cumpri a missão da chefia.

Quando chegou o nosso inverno fui para o trabalho com o meu blazer. Como a cidade tem tradição têxtil, já chamou a atenção dos meus colegas que quiseram experimentá-lo. Quando estavam fuçando no casaco, perceberam que era de uma grife internacional, caríssima! Eu nem sabia da fama. Já me considerava satisfeito por ter um casaco que não tinha “cotoveleiras” de couro, pois meses antes havia chegado à cidadezinha um carregamento de roupas usadas dos Estados Unidos e todo mundo da empresa usava aquele modelo de blazer. Usava, não! Usam até hoje! Inclusive eu! Mesmo sendo uma peça clássica, com a tendência slim, o meu blazer de grife parece o casaco do trapalhão Didi. Mas não sou louco de deixar uma peça daquela no armário.

A propósito: foi na viagem do começo desta história que tive noção da fama dos cafés brasileiros e colombianos. As cafeterias eram cheias de plaquinhas identificando as origens. Até então, para mim, os cafés eram todos iguais. Foi usando aquele blazer que comecei a mudar de ideia.

Leia também:

Cápsula de @UMCAFEZINHO – O que eles disseram…
“O estilo é uma dificuldade de expressão.” Mario Quintana (1906-1994)

Marcelo Lamas é cronista. Autor de “Indesmentíveis”. Trabalha há 23 anos no mesmo endereço.
@marcelolamasbr
marcelolamasbr@gmail.com

Foto: Depositphotos

Compartilhe com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *