Café 4 – Sobre a capacidade de ouvir o outro

Seja na rede social ou na vida real, estamos vivendo no meio de um diálogo de surdos. (Li esse termo em um artigo e tenho observado muito). Todo mundo só quer falar – ou berrar – o que convém na hora que deseja, quase sempre de si. Só falar. Já reparou?

Estamos perdendo a capacidade de ouvir o outro. Falamos o tempo todo sobre nossas opiniões, sobre o que somos, sobre o que sabemos, sobre o que é importante para nós e nos esquecemos de nos interessar pelo que o outro diz. Uma atitude simples e complementar que pode nos fazer rever conceitos, mudar de ideia e progredir está desaparecendo.

Essa falta da capacidade de ouvir talvez possa ser o motivo de tantos discursos de ódio que circulam por toda parte, especialmente na internet. Se você nunca parou para ler os comentários de matérias que circulam pela rede, nem sei se seria uma boa da minha parte sugerir. As pessoas, que se acham blindadas pelas telas dos seus computadores, vomitam grosserias, palavrões, preconceito, ódio. Tudo isso por nada, de graça, refletindo fortemente aquilo que elas têm dentro de si.

Se lembra do caso da Maju, a moça do tempo do JN, ou da atriz Taís Araújo, que foram atacadas com palavras racistas em seus posts?

A comunicação em geral está cada vez mais violenta, não só pela web, e isso é um problema. No nosso próprio dia a dia, muitas vezes, respondemos com ataque a qualquer tentativa de diálogo. Atacamos sem ouvir o outro porque julgamos rapidamente qualquer que seja o discurso sem atenção. Não escutamos com a intenção de entender e sim com a intenção de responder.

Pegando a responsabilidade das nossas ações para nós mesmos, e se a gente começar a prestar mais atenção para o que o interlocutor está falando e parar de reagir de imediato? Cada um tem seu certo e seu errado. Cada um foi criado de uma maneira. Podemos começar com respeito, no sentido literal da palavra. Segundo esse mesmo artigo que citei no início, a palavra respeito significa “olhar de novo”. “Re” significa que algo vai acontecer de novo; “spect” significa ver.

“As pessoas não são perturbadas pelas coisas, mas pelo modo que as veem”, Epicteto.

A perda da capacidade de ouvir genuinamente o outro está calando os diálogos. Será que o interlocutor está com os dias contados?

Como anda a sua capacidade de ouvir? Já pensou sobre isso? Conte sua opinião nos comentários e compartilhe nas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

 

Contador de cafés

Café número quatro

Esse texto foi escrito durante vários dias, em vários lugares e vários cafés.

Você vai gostar de ler:

 

Fernanda Haddad é idealizadora e editora do projeto @UmCafezinho. Formada em jornalismo, tem uma empresa de conteúdo e estratégia digital. Trabalhou no Grupo Bandeirantes por quase 5 anos, gerenciou o conteúdo do Universo Jatobá nos primeiros 2 anos de portal e trabalhou em outros projetos de Content Marketing para grandes marcas, em startup. Também é locutora e apaixonada por bulldogs e chocolate. Nas horas vagas, toma café, lê, vê um filme ou outro e escreve um pouquinho. Fernanda escreve às terças-feiras.

Foto: Pixabay

Compartilhe com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *