Reutilização de filtro de café faz parte do trabalho deste poeta

O nome dele é Carlos La Terza. Esse mineiro, de São Lourenço, no sul de Minas Gerais, tem 31 anos e escreve poesias desde os 13. Do ano passado para cá, ele tem se dedicado mais intensamente a um projeto literário com reutilização de filtro de café para abrigar suas palavras. “Sempre foi algo que cultivei e procurei levar em frente. Sou professor de redação e Inglês também. Sinto que nunca vou conseguir parar de escrever, é uma terapia. Escrever me emociona, muito”, conta.

Você vai gostar de ler:

Confecção de livros com reutilização de filtro de café

La Terza diz que já perdeu as contas de quantos livros escreveu usando filtros de café. E tudo é feito de forma artesanal, usando máquina de escrever. O primeiro deles, intitulado de Leite de Pedra, vendeu mais de 500 exemplares.

O poeta Carlos La Terza (Divulgação)

Tudo começou porque ele estudou o mercado e a cultura, as tendências do universo literário contemporâneo, e percebeu a oportunidade. “Busquei o formato e o material por algum tempo, passando por papel de pão, guardanapos, entre outros. Como sou viciado em café, os filtros aqui em casa se acumulavam de 3 em 3″, conta.

Do filtro sujo ao livro foi um pulo. A tinta de café foi a solução para a capa, também provinda do vício e dos fundos de xícara com aquele restinho, sabe?

O mais legal é que a iniciativa sustentável acabou ganhando colaboradores, contagiou as outras pessoas. Muitas delas, sabendo do projeto, deixaram de jogar fora seus filtros de café sujos e passaram a enviar para ele. “Eu lavo e prenso os filtros. No final desse processo, eles estão prontos para serem páginas. Os poemas são datilografados em máquina de escrever, um a um”.  A máquina foi presente de um querido tio, que a usava em seu escritório nos anos 90.

O livro vem com cheirinho de café. Isso porque a capa, também artesanal, é pintada com tinta feita da bebida. “O livro é fechado com lã ou com linha encerada. A cada edição tento mudar algo no fechamento mas de forma sutil. Gosto do formato simples”, reforça.

Segundo ele, a temática varia. “Pode surgir de uma conversa, de um encontro ou de um sentimento que exige sair para o mundo de alguma forma. Desde o amor e as relações humanas como amizade e confiança, apego… Passando por temas políticos ou simples observações despretensiosas do cotidiano, em pequenos Haikais”, completa.

Além de livros, Carlos também faz quadros com poemas, usando a máquina de escrever e os filtros de café. “Faço outros trabalhos em parcerias com artistas sul mineiros e logo lançarei uma linha de camisetas com meus poemas”.

Foto: livro e quadro feitos com reutilização de filtro de café, com a ajuda da máquina de escrever. (Divulgação)

Hora do cafezinho

La Terza contou na entrevista que nem sabe quantas xícaras consome por dia. “Conhecido como um ativador de memórias, o cafezinho me acompanha desde a escrita até o trabalho manual nos livros, o que nos torna uma dupla. Eu e o café, o café e eu”.

Tomar café é ativar a mente com prazer e poesia. Meu tipo preferido é o expresso curto. Tenho uma paixão por café de qualidade coado também, creio que pela lembrança familiar da coisa.

Onde comprar

O projeto de livros e quadros com reutilização de filtro de café funciona de forma independente. Quer conhecer mais de perto? Acesse o perfil no Instagram @poetalaterza. Os livros custam R$ 35 cada e são enviados sem frete para a região Sudeste.

O que achou do trabalho do poeta com reutilização de filtro de café? Conhece mais algum trabalho bacana que envolva o café? Conte nos comentários. Compartilhe usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.

Foto de destaque: Divulgação

Compartilhe com seus amigos:

5 perfis no Instagram para quem ama café e moda

Café e moda. Para provar que essa união tem tudo a ver e pode trazer muita inspiração para o nosso dia a dia, conversamos com a Mari Flor da Rosa, que sabe tudo sobre o assunto. Ela, que é coolhunter e está à frente do Blog Closet da Mari, tem o cafezinho como integrante do seu lifestyle.

Conversamos um pouquinho sobre a relação entre café e moda e ela ainda compartilhou uma listinha sugerindo 5 perfis no Instagram, cujo tema é justamente esse, com fotos super bacanas.

Você vei gostar de ler:

Café e moda combinam?

De acordo com a Mari, café e moda tem tudo a ver tanto para quem trabalha com moda como para quem ama esse mundo. “O café se encaixa em todos os momentos. Quem trabalha com moda e precisa criar horas a fio, toma café. Em showrooms e lojas, oferecem café. A gente viaja para pesquisar ou comprar as peças, toma café de novo”, conta ela.

Moda, estilo de vida e café

O café pode, sim, ser o ponto de partida para o seu estilo de vida. Segundo Mari, um cafezinho pode durar 5 minutos ou 3 horas e isso torna o hábito possível em diversos momentos. “Em viagens costumamos parar em cafés para descansar, ver o roteiro ou até conhecer. Porque não fazer isso na sua própria cidade e sair do comum? Isso acaba acontecendo comigo. Visito cafés e conheço lugares e pessoas novas por causa disso”, sugere.

Isso é tão verdade que fotos inspiradoras usando a xícara de café na composição fazem o maior sucesso nas redes sociais. “Essas fotos mostram seu estilo de vida. Um tech lover posta o café na mesa do computador, uma apaixonada por moda posta com looks, um decorador, com ambientes. Ele ajuda a enfeitar e dar um ar mais acolhedor a qualquer lugar”, completa.

Quer saber quais são os perfis sugeridos pela Mari? Confira a seguir:

5 perfis no Instagram que unem café e moda

 

Those cinnamon rolls though… #coffeenclothes #☕️👕 @ktnewms

Uma publicação compartilhada por Coffee ‘N Clothes® (@coffeenclothes) em

Photo by @dhiptadi #igerscoffee 🙌☕🙌

Uma publicação compartilhada por IgersCoffee (@igerscoffee) em

That’s my kinda mug 🙌🏻😍 Photo of @lexymonaco 👇🏻 Email us at hello@womenandcoffee.com or #womenandcoffee to be featured!

Uma publicação compartilhada por WOMEN & COFFEE – Official ☕️ (@womenandcoffee) em

Leia também:

O que acha dessa mistura? A Mari também tira fotos incríveis com um cafezinho, viu? Conhece algum outro perfil legal para indicar? Escreva nos comentários e compartilhe com seus amigos usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Foto de destaque: Mari Flor da Rosa/Arquivo Pessoal

Compartilhe com seus amigos:

Qual é a melhor cafeteira espresso? Proteste responde

As cafeteiras de espresso estão cada vez mais populares no mercado brasileiro. Máquinas novas surgem o tempo todo, seja para quem gosta das cápsulas de café ou mesmo o pó. Mas, qual é a melhor cafeteira espresso? A Proteste, Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, fez uma avaliação com as seis marcas mais vendidas do mercado, sendo que cinco delas usam cápsulas e uma usa o pó de café.

Você vai gostar de ler:

Avaliação: qual é a melhor cafeteira espresso?

Antes de falar sobre os critérios e os resultados do teste, vale pontuar que foram vendidas 650 mil unidades de máquinas de café espresso de dezembro de 2015 a dezembro de 2016. Um número expressivo que movimenta o mercado e a concorrência, ajudando a tornar os preços mais acessíveis.

Os modelos testados foram: Nespresso C60, Nespresso Prodigio, Arno Movenza, Delta Q Evolution, Três Corações Versa e Oster BVSTECMP55.

Foto: Oster BVSTECMP55/Divulgação

De todas, a marca Oster é a única que tem o tubo para a função de vapor, além de possibilitar fazer dois cafés ao mesmo tempo. Dos manuais, o mais completo foi o da Nespresso C60.

Todas as máquinas de café espresso testadas têm bons reservatórios de água, com capacidade média de 800 ml.

 

Confira os outros critérios:

Segurança

Nenhuma das máquinas de café espresso avaliadas apresentou risco de choque elétrico ou queimaduras.

Limpeza

Todos os modelos testados são fáceis de limpar e não apresentaram dificuldades nesse sentido.

Consumo de energia

Os modelos de máquina de café avaliados não usam muita energia. Dependendo do mês e da frequência de uso, o resultado do teste é de um gasto médio de R$ 0,50 a R$1,80 por mês em eletricidade.

Velocidade

Para esse teste, foram tirados dois cafés espressos. Considera-se aqui o tempo de preparo, contando com o aquecimento da água. Por isso, o primeiro café levou, em média, um minuto para ser preparado e o outro, trinta segundos. Todas as marcas avaliadas foram bem.

Temperatura

Quanto à temperatura, apenas a Nespressco C60 foi muito bem avaliada. A máquina preparou os dois cafés dentro da temperatura adequada (entre 64º C e 70º C).

Crema

A crema é aquele creme que fica em cima do café espresso. Esse é um critério para avaliar se o café foi bem tirado da máquina: é bom se ele for espesso e duradouro. Nesse teste, a Nespresso C60 também foi a melhor avaliada.

Afinal, qual é a melhor cafeteira espresso? A seguir, veja o resultado:

Resultado da pesquisa da proteste

Foto: Nespresso C60/Divulgação

Dentre os quesitos avaliados, a cafeteira com melhor pontuação foi a Nespresso C60, seguida pela Oster. A marca que ficou com a nota mais baixa foi a Três Corações, mas ainda assim com boa avaliação. Os resultados, no geral, mostram produtos fáceis de usar e que gastam pouca energia.

Leia também:

A Proteste faz ainda um alerta para o consumidor: tenha atenção ao pagar mais por funções desnecessárias. A Nespresso Prodigio, por exemplo, oferece a possibilidade de fazer café de forma autônoma. Porém, para programar a máquina para fazer apenas um café espresso, é preciso prepará-la antes, colocando cápsula e xícara nos devidos lugares.

Dicas de cuidado e manutenção com a máquina de café espresso em casa:

Depois de saber o resultado do teste de qual é a melhor cafeteira espresso, leia algumas recomendações para cuidar e manter bem a sua máquina de café espresso:

– Antes de comprar, verifique as dimensões da cafeteira e confira se ela cabe na sua casa. Marcas como a Oster e a Nespresso possuem cabos de alimentação de menos de 80 cm, o que pode limitar o posicionamento da máquina.

– Consulte os preços das cápsulas de café para o produto que deseja adquirir ou se há compatíveis, de outras marcas. Há máquinas com preços acessíveis com cápsulas mais caras, que podem não compensar no médio e longo prazo.

Evite receitas caseiras na hora de limpar sua máquina de café espresso. Siga as orientações de cuidados do manual do fabricante.

– Não deixe as cápsulas usadas com acúmulo de água. Isso pode facilitar a proliferação de micro-organismos.

– Deposite as cápsulas de café usadas em locais de coleta do fabricante ou em ecopontos autorizados na sua cidade.

Agora você já sabe qual é a melhor cafeteira de espresso e como usar a sua bem. Deixe um comentário e compartilhe usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.

Foto: Pixabay

Compartilhe com seus amigos:

Tomar café no trabalho ajuda a manter a produtividade

Muita gente tem o hábito de tomar café no trabalho. Tem gente que nem gosta tanto assim e diz tomar um cafezinho só para ficar acordado mesmo, para despertar, fazer o dia render, sabe? Eu, sinceramente, não entendo como isso é possível. Fato é que tomar café no trabalho ajuda (e muito) a manter a produtividade. Isso porque a bebida tem cafeína, uma substância estimulante que age diretamente no cérebro. Assim, o corpo fica em estado de alerta e isso colabora com a concentração.

Muitas pesquisas científicas comprovam essa informação. Uma delas, feita pelo Departamento de Psiquiatria e Psicobiologia Clínica da Universidade de Barcelona, na Espanha, assegura que o consumo de bebidas cafeinadas com glicose é capaz de melhorar o desempenho cognitivo, tanto quando se trata de atenção quanto quando se trata de memória.

De manhã, depois do almoço ou mesmo no fim da tarde, tomar um cafezinho pode fazer milagre. Além de dar mais disposição, melhorar a capacidade de atenção e também a memória, consumir o café acelera o metabolismo, uma ótima notícia para quem quer perder peso. O café também tem propriedades antioxidantes e ajuda a manter longe uma série de doenças.

Você vai gostar de ler:

Em geral, especialistas recomendam não passar da média de 3 a 4 xícaras de café por dia, mas, é claro que isso depende do organismo de cada um. Algumas pessoas são mesmo mais resistentes à cafeína, mas só uma avaliação feita por um profissional é que pode definir o limite de café e cafeína indicado para cada organismo.

Tomar café no trabalho pode ajudar a resolver melhor as pendências

O intervalo para café no horário de trabalho é um momento importante. Além descansar a mente, aquele minutinho que você para, levanta, vai trocar uma ideia com um colega, toma um café e volta para a mesa, pode ser tudo o que estava faltando para ajudar a dissolver aquele problemão que parecia impossível.

Você tem o hábito de tomar café no trabalho? Conte sua opinião nos comentários e compartilhe pelas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.

Foto de destaque: Pixabay

Compartilhe com seus amigos:

Como fazer café coado no Hario V60

Tá na hora do café! A verdade é que, para quem ama um cafezinho mesmo, toda hora é hora. Um dos métodos de preparo da bebida é o filtrado no Hario V60, um coador desenvolvido no Japão. Ele se parece com aquele coado tradicional, mas tem algumas características que diferem, inclusive, o sabor do cafezinho. Quer entender direitinho e saber como fazer café coado no Hario V60 em casa sem errar? Olha só:

Hario V60 versus coador tradicional

Uma das diferenças desse método em relação ao do coado tradicional é a estrutura interna do coador, que tem espirais. Isso faz com que a água, ao ser despejada ali, siga o fluxo dessas espirais passando pelo pó de café mais rapidamente, sem obstáculos, também por causa do tipo de filtro de papel. Ele, por sua vez, tem o formato de um cone, sem aquela base reta do método coado tradicional.

O mercado oferece Hario V60 em diversos materiais e tamanhos: tem de vidro, de cerâmica, de acrílico e de porcelana, como essa que você vai ver no vídeo. Alguns materiais são capazes de reter mais o calor do que outros. Esse é um ponto que também interfere no resultado, mas depende do gosto de cada um, não tem certo e errado nesse caso. A abertura do Hario V60, por onde o café passa ao ser coado, é maior do que aquele coador tradicional. Isso também influi no resultado do sabor, já que reduz o tempo de contato da água com o pó.

Você vai gostar de ler:

Passo a passo de como fazer café coado no Hario

Veja as recomendações do barista Ricardo, da Suplicy Cafés Especiais, para fazer um bom cafezinho filtrado usando o Hario V60 em casa.

  1. Para cada 10 gramas de café, use 100 ml de água;
  2. Escalde o filtro com água quente;
  3. Em seguida, coloque o pó de café;
  4. Pré-infusão: coloque um pouco de água de forma que umedeça todo o pó de café;
  5. Despeje o restante da água fazendo movimentos circulares e aguarde uns minutinhos até que a água termine de passar pelo filtro. Voilà.

Dica importante: não deixe que a água chegue no ponto de fervura. Aí você queima o café e a bebida não fica tão boa quanto poderia.

É recomendado usar a moagem média do grão que você preferir. O resultado é uma bebida saborosa e limpa, sem aqueles resíduos de café no fundo da xícara, sabe?

Gostou de saber como fazer café coado no Hario V60? Você gosta desse método de preparo? Conte nos comentários e compartilhe com os amigos nas redes sociais, usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Foto: Pixabay

Compartilhe com seus amigos:

Barista italiano ministra minicursos e degustações de graça

Que tal participar de minicursos e degustações com um barista italiano sem gastar nada? Stefano Giannini, de 28 anos, trabalha na illycaffè e é especialista em máquinas de espresso, métodos de extração e na arte do barismo.

Minicursos e degustações: programação

A ação vai ocorrer em lojas do Pão de Açúcar de 7 cidades diferentes, de 3 estados do Brasil, entre os dias 26 de junho e 4 de julho, para todo o público interessado.

As sessões pela manhã serão das 9h às 11h30. À tarde, serão das 15h às 17h30 e não é necessário fazer inscrição prévia. Também não há limite de vagas para os participantes.

Confira a programação na íntegra:

Data Período Cidade Loja Endereço
 

26 de junho

 

Manhã

 

São Paulo

 

Jardim Paulista

 

Av. Brigadeiro Luís Antônio, 3142

 

26 de junho

 

Tarde

 

São Paulo

 

Ricardo Jafet

 

R. Prof. Serafim Orlandi, 299

 

28 de junho

 

Manhã

 

São Paulo

 

Anália Franco

 

Av. Regente Feijó, 1425

 

28 de junho

 

Tarde

 

Santana do Parnaíba

 

Alphaville II

 

Av. Marte, 624

29 de junho  

Manhã

 

Campinas

 

Cambuí

 

Av. Gal Osório, 1844

 

29 de junho

 

Tarde

 

Piracicaba

 

Piracicaba

 

Rua Visconde do Rio Branco, 583

 

30 de junho

 

Manhã

 

São Paulo

 

Morumbi

 

Av. Francisco Morato, 2385

 

30 de junho

 

Tarde

 

São Paulo

 

Real Parque

 

Av. Magalhães de Castro, 6118

 

1º de julho

 

Manhã

 

São Paulo

 

Jabaquara

 

Av. Engenheiro Armando de Arruda Pereira, 2022

 

1º de julho

 

Tarde

 

Santos

 

José Menino

 

Av. Presidente Wilson, 94/96

 

3 de julho

 

Manhã

 

Brasília

 

Lago Sul

 

SHI/SCL QL 05, Conjunto F, Nº 80, Loja 210

 

4 de julho

 

Manhã

 

Rio de Janeiro

 

Leblon

 

Rua José Linhares, 245

A iniciativa é da illycaffè em parceria com o Pão de Açúcar.

Sobre o barista italiano

Stefano é professor da Università del Caffè, programa educacional da torrefadora para o mundo do café. Ele mora na Itália, porém vive circulando pelo mundo com seus treinamentos e atividades para profissionais e fãs de café, como distribuidores da illycaffè e alunos das filiais da Università del Caffè. Ele também ministra aulas no Mestrado Internacional em Economia e Ciência do Café, oferecido anualmente pela torrefadora italiana, em Trieste.

Leia também:

E aí, o que achou da ação com minicursos e degustações de café gratuitas com um barista italiano? Conte nos comentários a sua opinião e compartilhe com seus amigos pelas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Foto: Divulgação

Compartilhe com seus amigos:

Máquina de café manual surpreende pelo design

Tem coisa mais linda do que essa máquina de café manual? Ela foi desenvolvida pela Strietman, uma empresa holandesa de produtos relacionados ao café, fundada por Wouter Strietman. A máquina é feita de forma artesanal, com o mínimo de tecnologia possível. Com ela, o processo é todo manual, o que dá a quem prepara o controle total diante do preparo do cafezinho. Uma simplicidade que encanta!

Você vai gostar de ler:

Máquina de café com design da Holanda

A máquina de café foi inspirada nas primeiras cafeteiras italianas de 1945, com tecnologia desenvolvida no período pós guerra. Não tem nada de botões nem telas, você controla a extração do cafezinho manualmente, na alavanca. Essa aí leva o nome de ES3 e é acoplada à parede, não é linda?

 

A máquina usa eletricidade para aquecer a água e você pode ajustar a temperatura de acordo com o método e o grão que preferir, equilibrando a acidez do seu café. A estrutura é feita em aço com detalhes em madeira e pesa, em média, 8 quilos, sem necessidade de manutenção frequente. (Inclusive, no site da empresa eles fornecem os passos para fazer a manutenção em casa). Esse modelo custa entre 1.350 euros e 1.380 euros.

Foto: modelo de máquina CT1

Outro modelo da marca, tão lindo quanto o primeiro, é o CT1, que tem as mesmas características do ES3, só que não precisa ser instalado na parede. A máquina CT1 custa 1.570 euros. Para compras fora da União Europeia, segundo o site, é cobrada uma taxa extra de 50 euros.

 

Modernidade e simplicidade com características do passado. Que coisa linda! Qual você prefere? Já pensou em ter uma máquina de café dessas em casa? Conte nos comentários e compartilhe com seus amigos usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.  

Fotos: Divulgação

Compartilhe com seus amigos:

Cafeteria de SP promove curso em fazenda de café

Atenção coffee lovers de plantão e você que pensa em se profissionalizar no segmento de cafés. Já conhece de perto uma fazenda de café? O Octavio Café acaba de abrir inscrições para o curso ‘Da Semente à Xícara’, que será realizado de 15 a 18 de junho nas fazendas da empresa em Pedregulho, no interior de São Paulo.

Curso oferece aulas na fazenda de café de propriedade da cafeteria

São 4 dias, que incluem um final de semana na fazenda de café. As aulas oferecem uma verdadeira imersão, englobando todo o processo desde a semente até a degustação daquele cafezinho de qualidade.

Os participantes têm a oportunidade de aprender de perto sobre plantio, planejamento da colheita, colheita seletiva, manual e mecânica, irrigação, preparo do café e secagem, além da preparação da xícara perfeita (máquina, moinho e compactação), vaporização de leite para cappuccinos e o conceito de latte art.

Foto: Octavio Café/Divulgação

Segundo Jonas Picirillo, diretor do Octavio Café, esse é um curso voltado especialmente para quem deseja se profissionalizar no ramo. “A imersão contempla toda a experiência passada no Curso de Barista, mas com conhecimento mais profundo através da vivência dos processos de produção do café na fazenda”, completa.

Quanto custa o curso?

O programa de 4 dias inclui hospedagem na Hospedaria do Café – aberta apenas a quem faz o curso -, com pensão completa e translado da pousada até as fazendas. Para o quarto single, o valor do investimento é de R$ 3.200. Já para os quartos double, o valor é de R$ 2.970 por pessoa. O pagamento pode ser dividido em até 10 vezes no cartão de crédito. As vagas são limitadas a oito inscritos.

Você vai gostar de ler:

Inscrições

Para se inscrever, é só solicitar a ficha cadastral e enviar de volta, preenchida, junto com o comprovante de pagamento. Para mais informações, ligue (11) 3074-0110 ou envie um e-mail cursos@octaviocafe.com.br.

Gostou da ideia de conhecer de perto uma fazenda de café? Já teve essa oportunidade? Conte nos comentários e compartilhe com seus amigos usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Foto de destaque: Octavio Café/Divulgação

Compartilhe com seus amigos:

Café com design: conheça a Boutique Du Design

Café com design. Quando esses dois se juntam só pode resultar em coisa boa, não é? Essa é a ideia da Boutique Du Design, resultado da união de duas paixões de Cris Duarte, que é paulistano, designer gráfico e super criativo.

Você vai gostar de ler:

Café com design: entenda a ideia

Reprodução – Cappuccino e Cia

Esses são os pilares do modelo de negócio do Cris, que também é noivo de uma francesa e que, por isso, passou por uma temporada em Paris, na França. Foi nessa fase da vida que ele começou a trabalhar e atender os clientes em espaços coletivos, como coworkings e cafeterias.

Assim começou a Bonjob, a Boutique Du Design. Não é difícil imaginar que Bonjob vem da palavra bonjour (bom dia, em francês). Afinal, segundo ele, um bom trabalho e um bom dia sempre começam com um bom café.

Ele voltou ao Brasil junto com a noiva e segue atuando com esse modelo de negócio por aqui. Os clientes da Boutique Du Design têm um menu para escolher o tipo de trabalho que mais se adequa às suas necessidades: Job boteco, Job coado, Job espresso, Job longo e Job Premium.

Leia também:

O que mais sai é o coado. Quer conhecer as características de cada um deles e saber mais detalhes? Acesse o site Cappuccino e Cia e confira na íntegra.

Gostou da união de café com design? Uma ideia criativa e interessante, não acha? Conhece mais algum projeto que tenha a ver com café? Conte aí. Compartilhe sua opinião nos comentários e use a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Foto de destaque: Pixabay

Compartilhe com seus amigos:

Onde descartar cápsulas Dolce Gusto? Confira!

Boa notícia para você que quer saber onde descartar cápsulas Dolce Gusto. A Nescafé anunciou essa semana que está ampliando seus postos de coleta de cápsulas em 42%. São 13 novos locais para recolhimento do material em lojas Grupo Pão de Açúcar distribuídas em diversas cidades do Estados de São Paulo (Barueri, Campinas, Indaiatuba, Santana do Parnaíba, São Caetano do Sul, São José do Rio Preto e São Paulo) e do Paraná (Curitiba).

Saiba onde descartar cápsulas Dolce Gusto e faça sua parte

Reforçando o comprometimento com o uso sustentável dos recursos e preservação do meio ambiente, a marca está constantemente em busca de alternativas para reduzir o impacto ambiental e gerar valor compartilhado para toda a sociedade.

Confira os novos 13 endereços onde descartar cápsulas Dolce Gusto no Brasil:

Campinas/SP
R. Alecrins, 616 – Cambuí
Av. Barão de Itapura, 2233 – Itapura

Barueri/SP
Alameda Rio Negro, 111
Alameda Madeira, 152

São Paulo/SP
R. Gonçalves Crespo, 217 – Tatuapé
R. Cardoso de Almeida, 472 – Perdizes
R. Teodoro Sampaio, 1933 – Pinheiros
R. Bairi, 435 – Alto da Lapa
Av. Washington Luís, 3919 – Chácara Monte Alegre

Santana do Parnaíba/SP
Av. Marte, 624 – Alphaville

São José do Rio Preto/SP
Av. Bady Bassitt, 5300

Indaiatuba/SP
Av. Pres. Vargas, 1264

São Caetano do Sul/SP
R. Maranhão, 975

Curitiba/PR
Av. Rep. Argentina, 1297

Leia também:

Processo de reciclagem de cápsulas Dolce Gusto

Foto: Divulgação

As cápsulas da Dolce Gusto recolhidas nos pontos de coleta passam por um processo de reciclagem e são transformadas em novos produtos, como o porta-cápsulas Renove. Esse foi o primeiro artigo da marca feito neste conceito. As cápsulas são triadas, fragmentadas e transformadas em uma resina termoplástica, que é a matéria-prima usada para a produção do porta-cápsulas.

Presentes para os clientes

Para marcar a ampliação da operação, mil “Clientes Mais” destas unidades do Pão de Açúcar, previamente selecionados pela frequência e volume de compras de cápsulas Dolce Gusto, vão receber em casa um porta-cápsulas Renove. Eles também vão receber um material informativo sobre a iniciativa, convidando-os a levar suas cápsulas usadas aos novos pontos.

O que achou da ideia? Agora que você já sabe onde descartar cápsulas Dolce Gusto, que tal avisar os amigos? Compartilhe nas suas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Fotos: Divulgação

Compartilhe com seus amigos: