Combustíveis

Conversava com meu pai sobre a alta dos preços quando ele – que mora em outro estado – me questionou:

– Quanto está a gasolina aí?

Respondi na soberba:

– Não sei! Aqui tem uma máfia do combustível, não faz diferença pesquisar. Só paro, abasteço, pago e vou embora. É uma questão de necessidade, não tem o que fazer.

O velho respondeu:

– Hum! Sei.

Emendei:

– Pai, tem duas coisas que não pergunto o preço: gasolina e café.

E a conversa ficou por aí.

************

No final do ano passado, minha tese foi colocada à prova. Fiz uma viagem de carro a Montevidéu. Cheguei ao destino na noite de Natal. O hotel que escolhi estava com os serviços restritos, incluindo o café-bar.

Saí para dar uma volta pelo centro à procura de um café. Quando cheguei ao marco zero, a Praça Independência, vi um hotel enorme do outro lado da rua. Daqueles de rede internacional, com um luminoso indicado haver um cassino no seu interior.

Fui até lá, passei pela porta giratória e perguntei para a recepcionista se ali havia uma cafeteria. Ela disse “Sí”, e sinalizou que ficava após um grande saguão.

Segui até lá, pedi um expresso (Illy), uma medialuna (croissant) e um doce que parecia uma flor. Matei o que estava me matando. Paguei com o cartão e voltei para o meu hotel.

Semanas depois, já de volta ao Brasil, recebi a fatura do cartão de crédito. Além de ficar assustado com o valor do litro da gasolina comum na faixa dos R$ 6 no país vizinho, também torci o nariz ao ver a conta daquele cafezinho da noite do Natal, em torno de R$ 100.

Agora, sei de bate pronto o preço de ambos. Com relação ao café natalino, seguramente por ser uma commodities, a culpa não foi da bebida. Bem, caso tenha sido, o que importa é que os grãos eram especiais e que a (o) barista caprichou na extração.

Leia também:

 

Marcelo Lamas é cronista. Autor de “Indesmentíveis”, “Arrumadinhas” e “Mulheres casadas têm cheiro de pólvora”.
@marcelolamasbr
marcelolamasbr@gmail.com

Foto: Depositphotos

Compartilhe com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *