O café brasileiro na Copa do Mundo

Começa hoje a copa do mundo de futebol, o que para muitos é o maior espetáculo da terra. Por aqui há um preconceito enraizado de que pessoas mais esclarecidas, os intelectuais, os eruditos, não deveriam apreciar o esporte. Nelson Rodrigues definiu assim: “O futebol é o ópio do povo”. Já o filósofo Millôr Fernandes complementou: “O futebol é o ópio do povo e o narcotráfico da mídia”. No próximo domingo, dia de jogo do Brasil, veremos as pessoas andando por aí vestidas de amarelo e mesmo aqueles mais críticos, acabam se rendendo ao “nacionalismo”.

E por que a cor predominante do uniforme não é o verde, como nossa bandeira? Até 1950, nossa seleção usava o branco. Com a derrota para o Uruguai, na final jogada no Maracanã – numa tragédia similar ao 7×1 – parte da culpa foi jogada sobre a camisa que não ganhava títulos.

Em 1953, o gaúcho Aldyr Schlee, aos 19 anos, vencia um concurso nacional, criando a harmoniosa combinação camisa amarela + calção azul + meias brancas. Como havia a exigência de utilizar todas as cores da bandeira, ele optou por colocar o verde nos detalhes das meias, da gola e das mangas. E assim ele criava um símbolo nacional, identificado em qualquer parte do planeta.

Foi na copa de 1982 que houve uma mudança surpreendente. A CBF mudou o escudo da seleção, inserindo UM RAMO DE CAFÉ. Como a FIFA não permitia o uso de patrocínio nos uniformes, essa foi a forma encontrada para garantir a verba publicitária do IBC (Instituto Brasileiro do Café), que buscava ampliar a divulgação da bebida no mercado internacional.

Não tenho visto aquela expectativa pelo começo dos jogos. Acredito que depois que a bola rolar, quem ainda não pegou sua camisa verde-amarela, vai correr lá no armário. Ninguém vai querer ficar de fora da festa.

Leia também:

 

Marcelo Lamas é cronista e autor de “Indesmentíveis”. Foi jogador de futebol das categorias de base do Farroupilha / RS e coleciona camisas de futebol.
@marcelolamasbr
marcelolamasbr@gmail

Fotos: Acervo/CBF

Compartilhe com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *