Paixões nacionais

Na abertura da Copa do Mundo publicamos aqui em @UmCafezinho a história do ramo de café estampado dentro do escudo da seleção brasileira no torneio de 1982, quando o IBC (Instituto Brasileiro do Café) buscava aumentar a participação do fruto no mercado internacional.

Nossa crônica foi citada e divulgada em vários sites do mundo do café, devido à relação entre duas de nossas paixões nacionais: a bebida quente e o futebol.

Em 1982, um jornalista que saia do estádio após a derrota da nossa “invencível” seleção foi consolado por um gringo que apontou para um outdoor do IBC numa esquina de Sarriá/Espanha e disse: “Não fique triste. Vocês ainda tem o melhor café do mundo!”.

Há uma outra história com futebol e café que este cronista cafezeiro gostaria de compartilhar. Os dois “templos” de futebol que frequento têm café a venda para esquentar os torcedores nas arquibancadas geladas do inverno gaúcho. Eles são:

  1. A moderna Arena do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense que disputa a série A
  2. O velho estádio Bento Freitas, onde o Brasil de Pelotas joga a série B do Campeonato Brasileiro.

Há uma grande diferença entre eles: A relação entre os cafés é inversa. No estádio velho, do interior,  o café é especial e na arena “gourmet” o café é convencional.

Talvez nem todo mundo tenha percebido isso, o pessoal vai lá pra ver o jogo, mas eu também vou pelo café.

Você vai gostar de ler:

 

Marcelo Lamas é cronista, autor de “Indesmentíveis”. Antes de sair de casa, escolhe o caminho por onde encontrará os melhores cafés.
@marcelolamasbr
marcelolamasbr@gmail.com

Foto: Depositphotos

Compartilhe com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *