Quotidiano

Semanas atrás, recebi da namorada um direct de uma postagem de @UmCafezinho dizendo que havia espaço para novos colunistas. Percorri todo o mapa do site, conheci o projeto e após trocar mensagens com a editora, a Fernanda, combinamos publicar textos nesse espaço.

E aonde iremos? Bem, a minha bússola aponta para o quotidiano. Este é o meu norte há mais de duas décadas colaborando com a mídia escrita. Prefiro grafar assim, com “qu”, já que a nossa língua portuguesa permite. Essa escolha tem motivo, pois assim como uma # (hashtag) apontaria para algo digital, o “quotidiano” me remete a uma história contada por outrem, que viu, ouviu ou, até mesmo, imaginou o acontecimento. E o passou adiante.

Você vai gostar de ler:

O poeta – e jornalista – Mario Quintana (1906-1994) dizia: “Antigamente os cafés eram sentados e conversados e hoje não são mais”. Dizem que um café do seu Mario durava horas, no cantinho da redação. Depois de muita conversa ele redigia sua coluna (Caderno H) que ficava pronta na hora “h”, ou seja, quando a edição estava praticamente fechada.

A minha intenção é contar histórias que possam ser compartilhadas ali, na hora do café, seja na empresa, na cafeteria, na calçada ou na padaria. Nos encontraremos para um (Papo no) cafezinho quinzenalmente, às quintas-feiras.

 

Marcelo Lamas é cronista. Autor de “Indesmentíveis”, “Arrumadinhas” e “Mulheres Casadas têm Cheiro de Pólvora”. Colabora há mais de duas décadas com jornais e revistas do sul do País e aqui escreve quinzenalmente, sempre às quintas-feiras. Acredita que um café e um quindim é a combinação mais pedida na cafeteria do paraíso. E-mail: marcelolamas@globo.com

Foto: Marcelo Lamas (Quindim Imperatriz Doces Finos + Café 35. Este quindim é o original de Pelotas, tem selo de procedência e é sobremesa no Itamaraty. Dizem que já foram remessas encomendadas para a corte inglesa).

Compartilhe com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *