18 livros sobre café para apaixonados pela bebida

Nem todo mundo que gosta de café, trabalha com café e, por isso, o processo de aprendizado sobre a bebida acaba sendo por meio de cursos, de livros, da internet e da vida mesmo, do dia a dia. Esse também é o meu caso e, como já compartilho alguns achados de livros sobre café no Instagram, me veio a ideia de fazer uma lista bacana e bem robusta aqui.

Livros sobre café para coffee lovers (e para presentear apaixonados pela bebida)

Fiz uma pesquisa dos livros sobre café disponíveis no mercado (em português e em inglês) e separei os 18 que acho mais interessantes, seja porque eu já tenho e gosto ou porque quero comprar. Muitos deles são bem lindos e servem, inclusive, para decorar sua sala ou seu cantinho do café.

Esses dias estive numa livraria para comprar um desses livros sobre café para uma amiga e não encontrei. Fiquei super desapontada. Então, já coloquei o link de compra de cada item para facilitar para quem quiser, ok? Vamos lá:

1 . O Livro do Café

Assinado pela especialista Anette Moldvaer, o Livro do Café traz desde a história até características das espécies, informações sobre safra e um roteiro dos maiores produtores do mundo. Para quem quer saber sobre métodos de preparo, ela descreve o passo a passo de vários deles, como: prensa francesa, Aeropress, sifão e espresso, entre outros. Ilustrações não faltam e também mais de 100 receitas quentes ou frias para se deliciar. | Clique aqui para comprar. 

2 . Dicionário Gastronômico. Café com suas receitas

O livro Dicionário Gastronômico. Café com suas receitas é lindo demais e pode decorar a sua casa tranquilamente, mas não só isso: ele trata de lendas antigas e folclóricas sobre a apaixonante história do cafezinho. É daqueles livros que inspiram a gente, sabe?

Se você faz parte do grupo de coffee lovers, então… Não tem jeito de não gostar! O conteúdo é super rico, inclusive de imagens | Clique aqui para comprar

3 . O sonho do café

Que eu sou fã do café illy, não é segredo. Até visitar a sede na Itália eu já fui.  Esse livro fala sobre tudo o que tem numa xícara de café: ciência, cultura, aroma,  lugares maravilhosos, história, arte, viagens, paixão e muito trabalho. Aqui no blog, eu falo de tudo isso e talvez seja esse o motivo  da minha identificação com a marca. Andrea Illy compartilha a trajetória da sua família e da sua empresa rumo à concretização do sonho de seu avô Francesco quando criou a marca: oferecer ao mundo o melhor café. Clique aqui para comprar

4 . Eu Amo Café – Mais de 100 Bebidas Com Café Deliciosas e Fáceis de Fazer

A autora e especialista Susan Zimmer compartilha dicas e técnicas para preparar o cafezinho perfeito em casa e muito mais. Ela fala da história do café no Brasil, da família d’Orvilliers, da politica café-com-leite, da queda da bolsa em 1929, dos tipos de cafés, das técnicas de preparação e traz também dicas de moagem dos grãos, além de receitas, inclusive com sobremesas e drinks com café. No livro Eu amo Café, também encontramos informações sobre as principais regiões brasileiras produtoras e sobre como é feito o controle de qualidade do café. | Clique aqui para comprar

5 . Café com Design. A Arte de Beber Café

Esse livro é para quem ama café, mas não só isso. É para quem ama também arte, arquitetura, design e novas tecnologias. Eu adoro falar aqui sobre as cafeterias históricas que já visitei, adoro trabalhar em cafeterias pelo mundo, e justamente por isso adorei essa ideia. O livro traz à tona esse conceito do café como agregador. Fala do café e fala também dos espaços dedicados a ele. O café é um motivo para as pessoas se encontrarem, se reunirem, trocarem ideias e as cafeterias são espaços perfeitos de socialização que estão acompanhando o avanço tecnológico. | Clique aqui para comprar

6 . Chefs: Café

Neste livro, você encontra receitas criativas de 28 dos melhores chefs de cozinha, que ensinam que o café é também um dos melhores temperos. Você vai entender sobre o que é um bom café, sobre a safra, sobre a escolha do melhor produto e, claro, sobre o preparo em casa. Nele, tem história também e as transformações motivadas pelo café em diferentes lugares do mundo. (Grande e de capa dura, é lindo para deixar exposto na sala). | Clique aqui para comprar

7 . Coffee Love: Café Design & Stories

Esse livro está em pré-lançamento na Amazon do Brasil no dia de publicação desse artigo, mas achei muito interessante a proposta do autor. Só tem em inglês por enquanto e fala da cultura do café desde o passado até os dias de hoje em todo o mundo. De acordo com o autor, os locais de consumo de café são indispensáveis na vida urbana em cada canto do planeta, com designs e estilos para todos os gostos, do minimalista ao extravagante. | Clique aqui para comprar

8 . Receitas com café… Bem simples

Esse é excelente para quem gosta de receitas diferentes e de testes na cozinha usando todos os tipos de café na culinária. Tem receitas de bolos, docinhos, biscoitos, sobremesas, drinks e até opções light. Algumas mostram, inclusive, como usar o café no preparo de carnes. As receitas fazem uso de todos os tipos de café: café pronto, essência, em pó, granulado e licores de café. Boa dica para quem gosta de surpreender a família ou receber amigos com algo diferente. | Clique aqui para comprar

9 . Guia do Barista

Esse é o novo Guia do Barista, que foi lançado recentemente e já falei sobre ele aqui no blog. A primeira edição foi lançada em 2007 e essa já é a quinta, com a proposta de abordar todos os temas referentes ao café para baristas e entusiastas. As informações vão desde a produção de café até a preparação da bebida perfeita, com dicas e receitas de drinques à base de café. Nesta edição, o capítulo sobre torra de café tem novidades. | Clique aqui para comprar

10 . The New Rules of Coffee

A tradução do título é: As novas regras do café. Esse é um guia (em inglês) bem ilustrado para apreciadores de café, com dicas práticas de como armazenar e servir e também de torrefação.

O livro traz fatos, folclore e cultura popular sobre café em todo o mundo e foi escrito pelos fundadores e editores do Sprudge, um blog americano que fala apenas sobre café desde 2009. O conteúdo do blog é excelente, fica mais uma dica. | Clique aqui para comprar

11 . Louco por Café. Antonello Monardo

O livro Louco por Café traz um conteúdo rico e bem ilustrado, com fotos e receitas exclusivas e surpreendentes preparadas pelo próprio Antonello Monardo.

Ele é da região da Calábria, no sul da Itália, e fez do café a sua missão de vida, que começou essencialmente pelo seu avô, Domenico, no século passado. | Clique aqui para comprar

12 . Where to drink coffee

Se você acompanha o blog por aqui ou pelas redes sociais, já deve ter visto esse livro (em inglês). É um guia feito pelos 150 melhores baristas e especialistas em café do mundo. Eles compartilham 600 lugares em 50 países para tomarmos os melhores cafés, como cafeterias, padarias e restaurantes e até alguns locais mais inusitados, como uma locadora e uma loja de automóveis.  Ideal para quem gosta muito de viajar e sempre tá pensando no café. Vou estrear na minha próxima viagem. | Clique aqui para comprar

13 . APAIXONADOS POR CAFé

Esse livro é um dos que eu mais vejo por aí. Apaixonados por café traz segredos dos baristas de vários lugares do mundo para fazer bons cafés em casa.

Ele é super bem ilustrado e tem dicas muito legais, inclusive de decoração do seu café usando moldes, free pour, calda e até escultura 3D com espuma.  | Clique aqui para comprar

14 . Craft Coffee: A Manual: Brewing a Better Cup at Home 

Um manual escrito por um entusiasta do café para os entusiastas do café, com várias dicas em vários métodos (em inglês). A ideia do autor é falar com quem não é profissional, mas deseja fazer um bom café em casa sem complicação.

A proposta é justamente simplificar para quem gosta de café, mas não sabe por onde começar, especialmente de uns tempos pra cá, com o crescente interesse sobre o mundo dos cafés especiais. | Clique aqui para comprar

15 . The World Atlas of Coffee: From Beans to Brewing – Coffees Explored, Explained and Enjoyed

Outro livro lindo que só achei em inglês: o Atlas Mundial do CaféPlantas do gênero Coffea são cultivadas em mais de 70 países, principalmente na América Latina equatorial, sudeste da Ásia e África. Para alguns países, incluindo a República Centro-Africana, Colômbia, Etiópia e Honduras, o café é o carro-chefe da economia. O livro mostra tudo, do pé de café até a xícara, com conteúdo organizado por continente e depois por país ou região. Acho esse deslumbrante! | Clique aqui para comprar

16 . Brew: Better Coffee at Home

Brew (em inglês) é outra opção de livro para entusiastas que querem aprender a fazer um bom café em casa e não para profissionais. 

O autor é especialista em café e quer desmistificar o café especial, ensinando de forma simples a comprar os melhores grãos e equipamentos, além de técnicas básicas para preparar o café coado, na prensa francesa ou na cafeteira italiana, por exemplo. Ele complementa com receitas de bebidas e drinks à base de café. | Clique aqui para comprar

17 . Coffee: A Global History

No livro Café: uma história global (em inglês), Jonathan Morris explica como o mundo adquiriu o gosto pelo café e por que a bebida tem um gosto tão particular cada lugar. Ele fala da história do café, dos personagens importantes que tomavam café, do por que, como e onde o faziam. Ele traz também conteúdo sobre as regiões e as formas de cultivo, as fazendas, o processamento, o comércio e a logística, além de receitas e de explorar o universo de corretores, torrefadores e fabricantes de máquinas, com imagens, histórias e fatos surpreendentes. | Clique aqui para comprar

18 . História do café

O último, em português, traz a história do café desde sua descoberta, contada por uma historiadora com elegância e bom humor. Ana Luiza Martins analisa também como o café no Brasil se tornou um marco e parte da história. Mais do que uma atitude simpática de bom anfitrião, oferecer um café é proporcionar uma das mais prestigiosas formas de convívio social. Esse aqui é para todos os coffee lovers que gostam de história e querem entender como tudo começou por aqui. Vale fazer um café para começar bem essa leitura, hein! | Clique aqui para comprar

Isso é o que eu chamo de viajar sem sair de casa. E aí, o que achou dessas opções de livros sobre café? Quais você quer e quais daria de presente para aquele amigo viciado na bebida? Conte aqui e compartilhe usando a hashtag #umcafezinhopelomundo. 

Foto de destaque: Depositphotos

Compartilhe com seus amigos:

Mostra traz café com aquarela, no Museu do Café, em Santos

Café para beber e também para pintar! Eu já falei aqui de alguns artistas que usam o café em seus trabalhos e esse é mais um exemplo. A exposição “Café com aquarela, uma experiência de imagem e contos”, fica no Museu do Café até o dia 4 de novembro de 2018.

Leia também:

São 16 ilustrações que compõem a coleção assinada pelo artista plástico Rogerio Bessa Gonçalves. De acordo com ele, o grão proporciona um padrão cromático nas gravuras e possibilita tons dourados diversificados, que espelham as propriedades do líquido

As peças buscam destacar o uso da infusão na composição de trabalhos figurativos, oferecendo um produto com características obscuras e de um aspecto envelhecido. Elas foram criadas com variadas formas e intensidades de café, além de outros materiais pouco convencionais. A ideia do artista é fugir do convencional, propondo projetos gráficos sintetizados e novas alternativas técnicas.

Você vai gostar de ler:

Museu do Café

Rua XV de Novembro, 95, Centro Histórico de Santos.
Horário de funcionamento: de terça a sábado, das 9h às 17h; Domingos, entre 10h e 17h.
Entrada: R$ 10 (inteira); R$ 5 (meia).Aos sábados, a visitação é gratuita.
A Cafeteria do Museu abre de segunda a sábado, das 9h às 18h. Aos domingos, funciona entre 10h e 18h.

“Café com aquarela, uma experiência de imagem e contos” fica até 4 de novembro, hein. Gostou da dica? Compartilha com os amigos. Conhece mais artistas que usam o café em suas obras? Conta aqui em baixo. 

Foto: Karina Frey/Museu do Café/Divulgação

Compartilhe com seus amigos:

Le Café Marly: o café do Louvre podia ser melhor

Por fora, bela viola. Por dentro… Não vá com tanta expectativa assim para o café. Quem visita Paris possivelmente tem o Museu do Louvre na programação. Se você é como eu e não pode ver a palavra café escrita em algum lugar, que já quer entrar pra ver qual é, segura a emoção quando passar pelo Le Café Marly, o café do Louvre, bem de frente às pirâmides.

Vale a pena visitar o Le Café Marly, o café do Museu do Louvre, em Paris?

O Le Café Marly foi inaugurado logo após a reforma do Museu e construção do Carrousel du Louvre, aquele shopping subterrâneo que tem a pirâmide invertida, e isso foi em 1993. Ele é realmente lindo e chama a atenção dos turistas. A decoração clássica, assinada por Olivier Gagnère e Yves Taralon, faz jus ao peso cultural do local.

Passei mais de um mês em Paris e pude conversar com moradores da cidade que confirmaram isso: é um lugar pouco frequentado por locais. Tinha acabado de passar o ano novo de 2017 para 2018 e eu fui encontrar um amigo brasileiro que também estava na cidade. Como ele gosta de café e me conhece bem, paramos para descansar (se é que é possível se cansar em Paris rs) e conversar.

Agora, o Le Café Marly é bom? A parada para apreciar a movimentação de selfies e fotos dos turistas pode não ser tão vantajosa. Pode ser que para almoço, jantar ou happy hour seja interessante, mas aí já não posso julgar porque fui apenas para tomar um cafezinho mesmo.

O café espresso não é lá grande coisa e custa 5 euros. Minha dica: se você tem um dinheirinho a mais, peça um chocolate quente (7,50 euros) e tenha paciência. O atendimento dos garçons (que são lindos!) é bem ruim. Esteja preparado (a)! Nada tão recomendado quando não se quer gastar muito.

Le Café Marly

Endereço: 93 Rue de Rivoli (Linha amarela do metrô – Palais Royal Musée du Louvre)
Horário de funcionamento: todos os dias, das 8h às 2h.

Você vai gostar de ler:

Where to Drink Coffee

Gosta de dicas de cafeterias pelo mundo? Primeiro, continue acompanhando aqui. Meu objetivo de vida é visitar o máximo número de cafeterias que conseguir e compartilhar com você (adoro saber suas dicas também). Segundo, veja esse livro, uma das minhas descobertas mais felizes. Ele foi desenvolvido por 150 baristas e especialistas e traz 600 endereços para tomar café em 50 países, com dicas e tudo mais.

O livro é em inglês e tem na Amazon do Brasil. Clica na imagem aí do lado para saber mais detalhes e comprar.

O que achou do Le Café Marly? Já visitou? Conta aqui nos comentários. Vai para Paris logo e está fazendo seu roteiro? Comenta aqui também se essa dica te ajudou. 

Lembra que temos também o Booking.com direto aqui no blog para você pesquisar passagens e hospedagens? A caixinha está aqui no canto direito, se você está lendo pelo computador, ou aqui em baixo, se você está lendo pelo celular.

Fotos: Fernanda Haddad ©

Compartilhe com seus amigos:

Novo Guia do Barista traz tendências a baristas e entusiastas

A 5ª edição do “Guia do Barista: da Origem do Café ao Espresso Perfeito” acaba de chegar às livrarias, cafeterias e revistarias do Brasil. A primeira edição foi lançada em 2007 e a proposta é abordar temas referentes à preparação de espresso, além de ter informações sobre a produção da bebida, dicas e demonstração de drinques à base de café.

Nesta edição, o leitor encontra novidades no capítulo sobre torra, apresentando questões como: características dos graus de torra, resfriamento, embalagens, variáveis, torradores, radiação, entre outros. O livro, que é voltado ao novo profissional do café e aos entusiastas, também traz novas imagens, dados atualizados e tendências.

Além de mostrar o crescimento do mercado interno da bebida, é possível encontrar  conteúdo sobre cafés de diferentes regiões do mundo, produção mundial e métodos de preparo.

Leia também:

O autor, Edgard Bressani, é formado em Direito, Administração e Marketing e cafeólogo pelo Coffee Consulate de Mannheim, Alemanha. Sócio da Exportadora Capricornio Coffees e do Bravo Café, foi o primeiro juiz brasileiro a julgar um Campeonato Mundial de Barista, além de presidir a Associação Brasileira de Café e Barista (ACBB) por dois mandatos e ser conselheiro da World Coffee Events (WCE).

Guia do Barista: Da Origem do Café ao Espresso Perfeito

Autor: Edgard Bressani
Editora: Café Editora
Edição: 5ª edição, 2018
Número de páginas: 224 páginas
Valor: R$ 75
Compra on-line: www.cafestore.com.br

Você vai gostar de ler:

Gostou da novidade? O Guia do Barista: da Origem do Café ao Espresso Perfeito é uma ótima opção de presente para amantes de café. Escreva aqui sua opinião nos comentários e compartilhe com os amigos usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Foto: Divulgação

Compartilhe com seus amigos:

Eugênia Café Bar é uma homenagem às mulheres

Esses dias conheci o Eugênia Café Bar, uma mistura de café e bar, que abriu recentemente em Pinheiros, São Paulo. O nome é uma homenagem à Eugênia Álvaro Moreyra (1898-1948), uma jornalista, diretora de teatro e atriz, precursora do movimento feminista no Brasil.

O que tem no Eugênia Café Bar, em Pinheiros?

As mulheres estão por toda parte no Eugênia Café Bar, reforçando o conceito do feminismo. Um dos sócios é homem, porém só mulheres são contratadas para trabalhar no espaço. O pequeno palco serve para apresentação de artistas mulheres e, na parte de trás da casa, tem uma sala com uma biblioteca cheia de livros de autoras de peso.

Eles trabalham com cafés especiais. No cardápio tem espresso (R$ 5), cappuccino (R$ 7), macchiato (R$ 8), latte (R$ 6,50), mocha (R$ 11), além dos métodos Hario V60 (R$ 8), Clever (R$ 9), French Press (R$ 10) e AeroPress (R$ 10). Tem também chocolate quente cremoso (R$ 10) e o Irish Coffee (R$ 17), se preferir um drink alcoólico com café.

[São Paulo 🇧🇷] – Aqui só trabalham mulheres. Na cozinha, no balcão e no salão. O Eugênia Café Bar é novidade no burburinho de Pinheiros. Tem até um palquinho com espaço para artistas mulheres e o sobrado ainda abriga um espaço com sala para encontros e uma biblioteca com títulos de autoras. Eles servem cafés especiais, comidinhas, bebidinhas e drinks para curtir o happy hour. Fui de cappuccino e bolo de cenoura com chocolate. Na segunda foto, coloquei o cardápio de cafés para quem tiver curiosidade. Super cool, adorei e recomendo! 📍R. Cônego Eugênio Leite, 953. ☕️❤️#umcafezinhopelomundo . . . 📸 @umcafezinho #coffeelovers #cafestagram #umcafezinho #cafezinho #coffeeexperience #coffeeholic #grlpwr #pinheiros #pinheirossp

Uma publicação compartilhada por Café | Informação | Lifestyle (@umcafezinho) em

Para acompanhar, tem pão de queijo (R$ 5,50), Madeleine (R$ 5), bolo do dia (R$ 7,50), brigadeiro (R$ 5) e brownie (R$ 5).

Para quem prefere o happy hour, pode escolher entre os drinks (todos levam nomes de mulheres). Todos parecem interessantes, mas ainda não posso opinar porque fui para o café mesmo. Meu pedido foi o cappuccino e uma fatia de bolo de cenoura com chocolate. Eu gostei. O ambiente é agradável, gostei do que provei e também do atendimento.

Leia também:

Para mim, essa é mais uma boa opção entre as ótimas de Pinheiros.

Eugênia Café Bar

Rua Cônego Eugênio Leite, 953, Pinheiros
Funciona de segunda a sábado, das 13h às 23h

Eugênia Café Bar é um cantinho gostoso, tem seu charme e o café é uma delícia. Ficou com vontade de conhecer? Já conhece? Conte nos comentários e compartilhe com seus amigos. 

Fotos: Divulgação | Instagram: Fernanda Haddad ©

Compartilhe com seus amigos:

Museu da Casa Brasileira promove evento grátis sobre café

Novidades como essa aqui eu amo e PRE-CI-SO divulgar: o Museu da Casa Brasileira, em São Paulo, terá uma atividade inédita e gratuita sobre café no próximo dia 1 de setembro. Que amor! Mas, olha só: as vagas são limitadas. Já vou contar com um pouco mais de detalhes sobre o que vai rolar por lá. Quer saber? Leia até o final.

Café e suas impressões: evento gratuito no Museu da Casa Brasileira em São Paulo

O evento gratuito sobre café, de nome ‘Café e suas impressões’, vai tratar da relação do nosso amado cafezinho e suas mudas com arquitetura e o Museu da Casa Brasileira (lugar ma-ra!). São várias atividades. A primeira, às 14h30, é a produção  de marcadores de páginas usando tinta à base de café, desenvolvida especialmente para a ocasião pelo educador Guilherme Ranieri.

Às 15h, vai haver um bate-papo com o Dr. Sérgio Parreiras Pereira, pesquisador científico do Centro de Café ‘Alcides Carvalho’ do Instituto Agronômico de Campinas (IAC). Ele vai contar um pouquinho sobre como o café chegou em nosso país, em 1727, e da importância do grão até os dias atuais.

Leia também:

Além disso, ele vai explicar um pouco sobre as espécies de café brasileiras, Catuí Vermelho e Mundo Novo, que serão plantadas no jardim do Museu da Casa Brasileira ao final do evento. Algumas dessas mudas também serão distribuídas aos participantes da atividade.

Ah! E vai ter degustação de café para os participantes da oficina e visitantes do Museu, que também vão poder acompanhar o plantio das mudas de café com os produtores do Campo Místico, de Bueno Brandão (MG). São apenas 20 vagas. Para participar, envie um e-mail para agendamento@mcb.org.br.

Oficina ‘Café e suas impressões’ – Museu da Casa Brasileira

Av. Faria Lima, 2705
Dia 1º de setembro, sábado, das 14h30 às 16h
20 vagas
Inscrições: agendamento@mcb.org.br
Tel.: +55 11 3032-3727

E aí, vamos participar do evento Café e suas impressões, no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo? Tem que ser rápido porque são poucas vagas, hein. Comente aqui a sua opinião, curta e compartilhe com seus amigos.   

Foto de destaque: MCB/Juan Guerra

Foto do Instagram: Fernanda Haddad ©

Compartilhe com seus amigos:

SP-Arte/Foto 2018 tem degustação do espresso illy

Agosto é o mês da fotografia e, por isso, é o mês escolhido para a SP-Arte/Foto 2018. O mais importante evento dedicado ao trabalho fotográfico no Brasil chega à 12ª edição e você pode curtir uma programação cultural e ainda degustar um cafezinho illy.

A SP-Arte/Foto 2018 ocorre entre os dias 22 a 26 de agosto, com entrada gratuita, no 3º piso do Shopping JK Iguatemi, na capital paulista. O espresso illy é um dos refinados sabores à disposição dos visitantes nos dias da feira.

Você vai gostar de ler:

A SP-Arte/Foto se consolidou como plataforma de intercâmbio cultural e artístico entre curadores, colecionadores, artistas, renomadas galerias e admiradores desse segmento das artes. Durante cinco dias, a fotografia moderna e contemporânea ocupa posição central em debates, lançamentos e exposições que se expandem por toda a cidade de São Paulo.

Leia também:

SP-Arte/Foto 2018

Shopping JK Iguatemi, 3º piso – Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 – São Paulo/SP.
Quarta, 22 de agosto (Preview para convidados); Quinta a sábado, 23 a 25 de agosto: 13 às 21h; Domingo, 26 de agosto: 13 às 20h.
*A entrada encerra todos os dias meia hora antes do horário de fechamento da feira

Adoro essa ligação do café com a arte. Gostou da dica do SP-Arte/Foto 2018, em São Paulo? Que tal ir tomar um cafezinho por lá e ainda ver imagens incríveis? Deixe um comentário aqui e compartilhe usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Foto: Divulgação

Compartilhe com seus amigos:

Bar Luce, o café do Wes Anderson, em Milão

Hoje eu vou contar sobre uma das surpresas lindas que eu tive em Milão, em 2017: o café do Wes Anderson, diretor do filme O Grande Hotel Budapeste. Ele assinou o design do Bar Luce, uma cafeteria cheia de charme, que fica na Fundação Prada.

Cartaz do filme O Grande Hotel Budapeste. Reprodução

Quando cheguei a Milão, em fevereiro de 2017, era minha primeira vez na cidade. Cheguei sozinha e ia encontrar uma amiga brasileira. Como sempre, tinha feito uma lista de cafeterias para visitar, sabendo que não conseguiria ir a todas, mas segui o fluxo da vida.

Gosto de viajar assim, sem uma programação muito rígida. Acho legal ter a liberdade de sair andando cada dia para um lado e descobrir o lugar de um jeito que você goste, de um jeito só seu. Até porque sempre tenho em mente que posso encontrar cafeterias incríveis e restaurantes que nem sempre estarão listadas nos sites ou aplicativos pesquisados.

Leia também:

Muita gente não consegue viajar sem uma programação, talvez seja esse um dos motivos que me faz amar viajar sozinha. (Pensando aqui: isso pode até ser tema de uma crônica em algum momento, BUT voltemos ao café do Wes Anderson).

A Fundação Prada

O Bar Luce fica na Fundação Prada. Se você gosta de exposições e obras de arte, vá em frente. O lugar de 19 mil metros quadrados é todo futurista, cheio de espelhos e tem uma arquitetura diferente, que mistura muito do moderno com o que já havia ali antes do espaço existir: uma destilaria.

O projeto é do arquiteto Rem Khoolas, que já fez também lojas e desfiles da marca. Tem uma torre dourada, inclusive, que é folheada a ouro. Não fica perto da Duomo e sim numa região industrial, cheia de galpões, mas é fácil de chegar de metrô + uma caminhadinha. Eu li que o que o senhor e a senhora Prada queriam era compartilhar sua coleção com os turistas e milaneses. Muitas obras são deles, mas o espaço também recebe outras exposições que não são fixas.

Você vai gostar de ler:

Pois bem. Eu gosto muito de ver exposições, visitar museus e tal, mas tudo o que eu sabia era que ali havia uma cafeteria… Só não sabia que era o café do Wes Anderson, muito menos inspirado no filme O Grande Hotel Budapeste (sim, sou meio desligada às vezes, o que pode ser bom porque traz surpresas constantes e dá uma certa graça e leveza à vida rs).

Bar Luce: o café do Wes Anderson em Milão

O Bar Luce tem uma decoração linda, tudo rosa, verde e azul. Bemmm a cara do filme! No cardápio tem vários tipos de café, chás, lanches, doces, pizza…

Independente do horário, é claro que eu ia optar pelo café. Escolhi cappuccino e gelato de chocolate. Eu amo affogato (sorvete com café por cima), mas também adoro gelato para harmonizar com café, separados mesmo, para ficar naquela de esfria, esquenta… Foi o que fiz aí. <3 Amei, amei, amei. Uma super experiência e cafezinho delicioso.

Ah, leia esses aqui também ó:

(Preciso confessar pra vocês que só me dei conta que se tratava do café do Wes Anderson depois que voltei pra casa. Foram duas felicidades: uma quando eu estava lá e outra quando eu não estava mais lá, mas me dei conta de que lá era lá :))

Bar Luce – Fundação Prada

Largo Isarco, 2, Milão, Itália (metrô linha amarela – estação lodi t.i.b.b)
Segundas, quartas e quintas, das 9h às 20h; sextas, sábados e domingos, das 9h às 22h; é fechado às terças.
Dica: não sei se ainda funciona assim, mas se você comprar a entrada para ver as exposições na fundação ganha um ingresso para ver um espaço exclusivo da prada dentro da galeria vittorio emanuele. aí pode parar na pasticceria marchesi para mais um cafezinho.

Que tal colocar o café do Wes Anderson no seu roteiro? Juro que é demais. Vai aqui no Booking, que tá no canto direito – se você tá lendo pelo computador – ou aqui em baixo – se você tá lendo pelo celular, e pesquise suas passagens e hotéis para Milão.

Se for na pegada mochilão e hostel, recomendo o Ostello Bello Grande, minha casa italiana, do lado da Estação Central. Eu sempre fico lá quando estou em Milão e já morei um tempo, inclusive. Incrívelllll! Deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos pelas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.

Foto de destaque: Reprodução do site da Fundação Prada/Attilio Maranzano

Instagram: Fernanda Haddad©

Compartilhe com seus amigos:

Filme Café une três histórias pelo mundo

Na última quinta-feira, dia 2 de agosto, o filme CAFÉ (Califórnia Filmes), de Cristiano Bortone, chegou às salas de cinema. Primeira coprodução entre Itália, Bélgica e China, o filme conta três histórias que acontecem em diferentes partes do mundo, mas que ainda assim são muito próximas. O que as une? O café.

Filme Café: o cafezinho nas telonas

Na Bélgica, Hamed (Hichem Yacoubi) é o proprietário de uma pequena loja de penhores. Ele veio do Iraque procurando por um melhor futuro para si, para sua esposa e para seu pequeno filho. Durante uma violenta revolta na rua, sua loja é saqueada e um precioso pote de café pelo qual tinha grande apreço é roubado. Hamed descobre quem é o ladrão e, independente de sua natureza pacífica, decide fazer justiça com as próprias mãos.

Já na Itália, Renzo (Dario Aita) é um apaixonado sommelier de café, mas trabalha ganhando pouco em um boteco local no país, que está cada vez mais em recessão. Quando sua namorada Gaia descobre que está grávida, ele se vê envolvido em um roubo a uma fábrica de café.

Do outro lado do planeta, na China, Fei (Fangsheng Lu) é um jovem e bem-sucedido gerente. Ele vai casar com a filha de seu chefe, o dono de uma grande empresa química. Tudo parece perfeito em sua vida até que pedem para ele cuidar de um problema em uma fábrica em Yunnan, a rica região de onde ele vem e centro da produção de café na China. Porém, uma misteriosa jovem artista irá forçá-lo a prestar contas por sua vida.

Segundo Cristiano Bortone, diretor, esse é um filme atual e reflete todas as incertezas que a sociedade está passando. “O mundo está passando por grandes mudanças e os desafios que fomos alertados estão aparecendo agora em toda sua intensidade. No filme, esses problemas são expressados através dos destinos que ligam esses três personagens em diferentes partes de um mundo cada vez melhor” diz o diretor.

FICHA TÉCNICA

Direção: Cristiano Bortone
Elenco: Hichem Yacoubi, Dario Aita, Fangsheng Lu
Gênero: Drama
País: Itália, Bélgica, China
Ano: 2016
Classificação: A definir

Leia também:

Que tal sair para tomar um cafezinho e pegar um cinema depois? O filme Café é extremamente convidativo, não acha? Conte sua opinião aí em baixo, nos comentários, e compartilhe usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.  

Fotos e trailer: Divulgação

Compartilhe com seus amigos:

Como surgiu o cappuccino? Saiba mais

Você sabe como surgiu o cappuccino? A fama dele é mundial e, embora tenha suas versões adaptadas para cada gosto e cada cultura, o cappuccino tradicional leva apenas três partes iguais de café, leite e espuma de leite. Mas, de onde veio essa ideia? Quem o inventou? Qual a história do cappuccino?

Descubra como surgiu o cappuccino

A palavra cappuccino, em italiano, significa pequeno capuz. Cappuccio significa capuz e “ino”é o diminutivo.

Há quem diga que a receita foi inventada por um monge italiano, Marco D’Aviano, que lutou bravamente para evitar a invasão Islâmica na Europa. Lá em 1683, ele estava no exército italiano (cristão), que obrigou os turcos a recuar. Com isso, várias sacas de café caíram e veio a oportunidade de criar a bebida. O nome cappuccino faz, portanto, uma referência às vestes dos monges franciscanos.

Leia também:

Como fazer um capuccino

Na receita do cappuccino italiano tradicional (um terço de café + um terço de leite + um terço de espuma de leite) características como qualidade do café, temperatura do leite e a textura da espuma são muito importantes para obter um bom resultado. A vaporização do leite é um dos desafios dos baristas em formação. Quanto mais cremoso e aveludado, melhor.

Aqui no Brasil, muitos lugares servem a bebida com canela ou cacau em pó. A alteração das receita de 3 proporções iguais de café, leite e espuma de leite pode resultar em outras bebidas como o café macchiato (café “manchado”com espuma de leite) e o café latte (uma dose de café e duas medidas de leite, mais a espuminha).

Uma das alternativas à receita tradicional é o cappuccino cremoso pré-pronto, que você pode fazer em casa para deixar sempre à mão. Clique aqui e confira a receita da minha avó.

Agora você já sabe como surgiu o cappuccino. O que achou da curiosidade? Você imaginava? Conte a sua opinião nos comentários e compartilhe com aquele seu amigo que ama a bebida. 

Foto: Depositphotos

Compartilhe com seus amigos: