Roupas feitas de cápsulas de café levam prêmio na Espanha

A busca por novos estilistas é o motivo pelo qual a Bilbao International Art&Fashion promove a cada dois anos o Fashion Design Contest. O concurso internacional que chegou à sexta edição esse ano premiou Gabriela Grajales, colombiana de 31 anos, por sua coleção de roupas feitas de cápsulas de café. ISSO MESMO!

Em entrevista exclusiva aqui para o blog, ela contou como surgiu a ideia de usar 15 mil (QUINZE MIL!) cápsulas de café para confeccionar as roupas. “Na minha casa consumimos muito café, descartamos muitas cápsulas e, observando isso, senti a necessidade de reciclar e dar um novo uso a elas”, conta.

Leia também:

Ok, mas vamos saber mais sobre o desenvolvimento da ideia. Ah, leia até o final, please! 🙂

Processo de criação das roupas feitas de cápsulas de café

Tudo começou com a procura de concursos de moda pela Europa, já que atualmente ela mora em Madrid, na Espanha. “O que mais me chamou a atenção foi o da BIAAF (Bilbao International Arts and Fashion) pelo grande apoio econômico e pela oportunidade de mostrar e impulsionar a criatividade de novos profissionais de moda”, explica.

Para participar, era preciso enviar um projeto sobre qualquer manifestação artística e Gabriela decidiu tratar sobre arte islâmica usando a reciclagem como tema principal. Aqui iniciou, então, a coleção de roupas feitas de cápsulas de café. Chamada Proteo, faz referência ao mosaico islâmico e o caráter transformador de Proteu, um personagem da mitologia grega conhecido como “O Velho Homem do Mar”.

Foto: © Txetxu Berruezo Zárate

A tarefa mais difícil, segundo Gabriela, foi juntar as cápsulas. “Tive muita ajuda da minha família na Espanha para fazer a coleta. Eles me ajudaram, inclusive pegando as cápsulas com os amigos, mas algumas eu tive que comprar mesmo”. Depois de lavar todas, começou um processo de experimentação, afinal como transformar cápsulas de café em roupas? “Desenhei primeiro digitalmente e depois montei direto no manequim”, detalha ela.

Foto: Viviana Gaviria ©

História de Gabriela Grajales na moda começou aos 16 anos

Gabriela aprendeu a desenhar sozinha. Ela fazia pequenas coleções e mostrava em desfiles e showrooms e, aos 21 anos, saiu da Colômbia para estudar design de moda na Argentina. “Eu gostava de desfazer as camisas do meu pai e transformá-las em vestidos”, recorda.

Venho de uma cultura muito “cafeteira”. Sou colombiana e durante toda minha vida estive rodeada pelo café. Me sinto orgulhosa por ter conseguido ganhar esse prêmio, graças a influência de uma parte muito importante do meu país, como é o café.

Planos para o futuro? “Estou construindo uma nova marca para expressar não só meu estilo e minha visão de moda, mas sustentabilidade e consumo consciente”. Adoro quando o café ultrapassa as barreiras da xicrinha.

Você vai gostar de ler:

O que achou sobre as roupas feitas de cápsulas de café? Me conta aqui em baixo se você gostou da história da Gabriela e se gosta desse tipo de entrevista.  Compartilhe aí com o universo usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.  

Foto de destaque: Txetxu Berruezo Zárate ©

Compartilhe com seus amigos:

Master Origin Nespresso: conheça a nova linha de cafés da marca

Quando se trata de cafés em cápsulas, logo lembramos da Nespresso, que é pioneira no segmento. Sua mais recente novidade é a linha de cafés Master Origin Nespresso e, para o lançamento dos 5 tipos de café de origem única, a marca promoveu uma experiência super interessante na última terça-feira, dia 28 de agosto, em São Paulo.

Depois de ouvir consumidores e fazer uma série de pesquisas, além de parcerias com agricultores locais, a Nespresso nos permite dar uma verdadeira volta ao mundo embalada pelos aromas e sabores do café. Eles são provenientes de Colômbia, Índia, Indonésia, Nicarágua e Etiópia – produzidos com métodos característicos de suas regiões.

Leia também:

Master Origin Nespresso e Fechado para Jantar

Em parceria com o Fechado para Jantar, projeto do chef Raphael Despirite que organiza jantares esporádicos nos lugares mais inusitados da cidade de São Paulo, a Nespresso fez um jantar fechado na Vila São Paulo, um espaço de eventos no Brás. (Para se ter uma ideia, ele já fez jantar dentro de uma livraria e dentro de uma galeria de arte. Cada edição é uma surpresa e, por isso, se você é de São Paulo, vale ficar de olho nas próximas datas).

Primeiro, houve uma recepção com degustação de 5 drinks com café, elaborados especialmente para acentuar o sabor do café de cada origem. Provei todos e contei aqui em baixo os meus 3 preferidos:

Meus drinks preferidos com os novos blends @nespresso.br: 1️⃣ o primeiro feito com India (notas amadeiradas e picantes); 2️⃣ o segundo com Indonesia (notas de madeira tropical e tabaco); 3️⃣ e o terceiro com Ethiopia (notas de frutas e flor de laranjeira). Os 5 novos blends são vendidos em uma única caixinha, com 7 unidades de cápsulas. Tá fácil provar todas, hein! 🌍✈️ Uma verdadeira volta ao mundo, com aromas e sabores do café! Hoje de manhã escolhi o Indonesia para despertar. ☕️❤️#umcafezinhopelomundo . . . 📸 @umcafezinho #coffeelovers #coffeetime #coffeeexperience #cafezinho #umcafezinho #cafe #nespressobrasil #nespresso #nespressomoments #viajarfazbem #cafestagram

Uma publicação compartilhada por Café | Informação | Lifestyle (@umcafezinho) em

Depois, passamos para a experiência do jantar. Os 5 blends inspiraram os 5 pratos servidos: 1 . Carne crua, maionese de alice, vinagrete de óleo de salsinha, nirá e pickles de cebola; 2 . Queijo St. Marcelin, abóboras assadas, lardo e mel de abelha nativa jataí MBEE; 3 . Confit de Pato, purê de grão de bico e salsa verde;  4 . Sorvete de morangos gelato boutique, ricota, pistache e manjericão; 5 . Pain Perdu e compota de maçãs.

Fechado para Jantar exclusivo para apresentar os novos blends da Nespresso. Divulgação

Claudia Leite, gerente de Cafés e Sustentabilidade da Nespresso no Brasil, reforça: “O diferencial desta nova linha são os métodos de processamento de cada café, gerando perfis sensoriais e sabores únicos”. Conheça abaixo mais detalhes sobre a linha de cafés Master Origin Nespresso:

Os cafés da linha Master Origin Nespresso

1 . Master Origin Índia

O café adquirido na Índia passou pela técnica milenar “monsooning”, relembrando um processo antigo, em que os grãos eram transportados em barcos e absorviam um alto nível de umidade do oceano. O mesmo processo foi trazido para o século XXI: grãos de Robusta passaram pelo “monsooning” em armazéns na Índia e foram unidos a grãos Arábica, resultando em um café potente, com notas amadeiradas e picantes.

2 . Master Origin Etiópia

Os grãos de café da Etiópia foram cuidadosamente colhidos e secos naturalmente com a casca e polpa, revolvidos à mão de hora em hora para garantir uma secagem uniforme em terreiros suspensos. O resultado é um café com notas frutas e flor de laranjeira.

Você vai gostar de ler:

3 . Master Origin Colômbia

Na Colômbia, cada fruto de café foi deixado mais tempo no pé, arriscando a fermentação, até que tivesse exatamente o ponto de maturação desejado. Os frutos com coloração roxo escuro foram colhidos à mão.  O resultado é um café com notas vinho e frutas vermelhas.

4 . Master Origin Indonésia

Na Sumatra (Indonésia), o terroir úmido exigiu que os produtores utilizassem um método de processamento descascado úmido. Isso significa que os frutos são descascados, fermentados, secos ao calor e, ainda úmidos, os grãos são processados. O resultado é um café com notas de madeira tropical e tabaco.

5 . Master Origin Nicarágua

Na Nicarágua, utilizou-se o método black honey. Os grãos de café são descascados e secos ainda com a polpa, expostos ao sol intenso nos terreiros, o que permite que o grão absorva os açúcares naturais da própria mucilagem. O resultado é um café com notas de cereais doces.

Os novos cafés da linha Master Origin Nespresso já estão disponíveis nas lojas físicas e também no e-commerce da marca pelo valor de R$ 2,30. Ficou com vontade de provar? Gostou da novidade? Conte nos comentários. 

Foto de destaque: Divulgação

Compartilhe com seus amigos:

Melitta lança programa de reciclagem de cápsulas de café

Boa notícia: a Melitta acaba de lançar seu programa de reciclagem de cápsulas de café em parceria com a TerraCycle – empresa que trabalha com a solução de resíduos de difícil reciclabilidade.

Programa Nacional de Reciclagem de Cápsulas de Café Melitta: como funciona?

A Melitta tem suas cápsulas de café compatíveis com as máquinas Nespresso e, a partir de agora, é possível fazer o descarte correto delas depois de usar.

Primeiro, é preciso acumular pelo menos 50 cápsulas e armazená-las em uma caixa. O próximo passo é acessar a plataforma da TerraCycle, fazer um cadastro e imprimir uma etiqueta pré-paga. Aí é só despachar a remessa em qualquer agência dos Correios, sem nenhum custo para o consumidor.

Reciclagem e responsabilidade social

Ao juntar e participar da reciclagem de cápsulas de café, além de colaborar com o meio ambiente, o consumidor pode praticar a solidariedade sem colocar a mão no bolso.

Cada cápsula corresponde a 2 pontos TerraCycle, que equivalem a R$0,02 e poderão ser revertidos em doações para uma instituição sem fins lucrativos ou escola pública que você escolher. Para isso, é importante enviar o mínimo de 50 cápsulas. Do contrário, os pontos não serão contabilizados, mas o material será recebido e enviado para a reciclagem.

Leia também:

De acordo com as informações do programa, o prazo para computação dos pontos é de até 4 semanas a contar do momento da postagem.

Para onde vão as cápsulas de café?

A TerraCycle tem uma sócia e parceira, a RCR ambiental. Essa parceira recebe e faz uma triagem do material e o encaminha para a reciclagem, possibilitando que ele seja reinserido na cadeia produtiva. A borra de café, por exemplo, é destinada para a compostagem.

Muito bom ver mais empresas trabalhando para encontrar soluções para essa questão, não acha? Gostou de saber sobre a possibilidade da reciclagem de cápsulas de café da Melitta? Conte sua opinião nos comentários e compartilhe com seus amigos pelas redes sociais.  

Foto: Divulgação

Compartilhe com seus amigos: