Ana Moraes: atleta de polo aquático e amante de café

Ela ama café e isso já é suficiente para estar aqui. Mas, vamos às apresentações: a Ana Moraes é atleta de polo aquático, joga pelo Club Athletico Paulistano, em São Paulo, e mora em Florianópolis. Ela apresenta um programa na TV Vento Sul, a série Lifeguard Campeche, e estreia outro em um canal de esportes e aventura no próximo mês.

Formada em Educação Física e Esportes pela Universidade do Estado de Santa Catarina, ela tem especialização em Fisioterapia Desportiva pela Universidade de Sevilla, na Espanha, e trabalha com treinamento esportivo em Floripa. Paralelamente, ela se dedica a fotografia, filmagem e viagem (ô sorte!).

Leia também:

Sempre circulando no eixo São Paulo-Rio de Janeiro-Floripa, Ana conta que se divide entre as três cidades porque não consegue ficar parada. “Eu amo São Paulo, a cidade onde tudo acontece. Meu time é daqui e, além da família, tenho grandes amigos. No Rio de Janeiro, eu gosto do clima cool, do verão o ano todo e da leveza dos cariocas, mas hoje é Floripa que me completa como cidade. Como amo a natureza, me realizo diariamente ao ver o sol nascer da água, remando, surfando ou mesmo correndo, comendo fruta do pé no meu quintal, tomando meu café da manhã ao som dos passarinhos e regando minhas plantas. Acho que o equilíbrio é fundamental e o meu encontro viajando”, explica.

Um cafezinho com Ana Moraes

Na hora do cafezinho, Ana conta que gosta dele puro, pretinho e sem açúcar e toma sempre ao acordar, no meio da manhã e depois do almoço. “Gosto muito. É minha primeira função ao levantar da cama. Se estou atrasada pro surf ou algum compromisso, boto na térmica e vou tomando no carro. Não saio de casa sem”, diz.

“Tomar café é despertar. E despertar é uma das coisas mais maravilhosas que podemos viver diariamente”.

A Ana morou no Hawaii por um tempo e começou a apreciar o café nessa época. “Lá tem um café delicioso que se chama Kona Coffee. Esse café vem de uma ilha chamada Big Island e lá tem uma região com extensas plantações de grãos de café de qualidade porque o clima é super favorável”, conta.

No local onde a atleta morava, havia cozinheiras que sempre faziam garrafas de café para os hóspedes e o cheiro começou a chamar a atenção. “Comecei a tomar sempre depois do almoço, antes de voltar ao trabalho, e fui me apaixonando aos poucos”, relata.

O Kona é um dos cafés mais caros do mundo. Há pesquisas que dizem que as mudas do café chegaram na região por volta de 1828, vindas do Brasil com Samuel Reverend Ruggles. O reconhecimento veio no final do século XIX, com a ajuda de um comerciante inglês.

Cafeterias preferidas da Ana Moraes

Coffee Lab – São Paulo/SP

Rua Fradique Coutinho, 1340, Vila Madalena

Todos os dias, das 10h às 20h. Aos feriados, varia. Consulte pelo telefone.

Telefone: +55 (11) 3375-7400

Café Cultura – Florianópolis/SC

Unidade Primavera

SC 401, Km4 – Espaço Primavera Garden

De segunda a sábado, das 9h às 20h. Aos domingos, das 9h às 19h.

Telefone: +55 (48) 3307-9350

Unidade Lagoa da Conceição

Rua Manoel Severino de Oliveira, 669, loja 3

De segunda a domingo, das 8h30 às 23h, inclusive feriados.

Telefone: +55 (48) 3334-0483

Shopping Iguatemi

Avenida Madre Benvenuta, 687, quiosque 06, piso L2

De segunda a sábado, das 10h às 22h. Domingos e feriados, das 13h às 20h.

Telefone: +55 (48) 3028-0420

O Café Cultura tem mais lojas nas cidades de Balneário Camboriú, São José e Criciúma, todas em Santa Catarina. Consulte os endereços aqui. 

E aí, gostou de conhecer a Ana Moraes e sua relação com café? Tem alguém que você sabe que gosta de café e queira ver por aqui? Conte nos comentários e compartilhe usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Fotos: Arquivo pessoal

Compartilhe com seus amigos:

Cafeterias em Nova York: Bruna, do NYC Tips, dá as dicas

Se você é do tipo que começa qualquer roteiro de viagem pelas cafeterias que tem vontade de visitar e está de malas prontas rumo à Big Apple, está no lugar certo. As cafeterias em Nova York são um charme e opções não faltam. Tem para todos os gostos e estilos.

Confesso para vocês que, se estou viajando sozinha, troco o almoço e até o jantar pela oportunidade de conhecer mais uma cafeteria bacana. Se for daquelas históricas ou dentro de museus… Pode me esquecer. Fico o máximo de tempo que puder. E, se precisar carregar o celular, é a desculpa perfeita para entrar em mais alguma pelo caminho.

Eu estive em Nova York em 2014 e tomei muito café, mas na época não existia esse espaço e não fiquei tão atenta aos detalhes. Sabendo que tem muita coisa legal por lá, conversei com a Bruna Paraiso, uma das responsáveis pelo NYC Tips, e ela deu ótimas dicas.

NYC Tips te ajuda a encontrar o melhor em Nova York

A Bruna mora em Nova York há quase 5 anos e conta que o NYC Tips começou sem pretensão nenhuma: “Uns amigos meus vieram para cá e passamos a semana inteira andando pelos bairros, indo a restaurantes, etc… No último dia, estávamos jantando e eles falaram: ´Bru, nós só fomos em lugar legais. O que pode não ser mais novidade para você, para gente ainda é. Você devia divulgar essas dicas´”.

Em pouco tempo, ela sentiu os resultados e decidiu criar um site e as dúvidas não paravam de chegar! Além disso, ela faz roteiros personalizados. “Elaboro tudo de acordo com o perfil de cada cliente, desde os que nunca vieram até aqueles que já vieram 10 vezes e buscam algo diferente, aos olhos de quem vive aqui”. (Tem, inclusive, um canal no Youtube super legal!)

Agora que você já sabe um pouco sobre o trabalho da Bruna e percebeu que ela entende bem do que está falando, vamos tomar um cafezinho?

Ela disse pra gente que ama café e que toma, pelo menos, duas vezes por dia. “O meu dia não começa se não tomo um cafezinho preto. Tomo de manhã e depois do almoço para dar aquela acordada (risos). Após as 17h, eu não posso tomar de jeito nenhum, tenho insônia. O que é uma pena porque, muitas vezes, me dá uma super vontade depois do jantar”.

Para mim acordar e já sentir o cheirinho de café me faz lembrar que tenho mais um dia pela frente e fico feliz! Meu dia melhora muito depois do meu cafezinho.

Você vai gostar de ler:

Confira a seguir as dicas dela de cafeterias em Nova York:

Cafeterias em Nova York: o que não dá para perder?

Se você vai para Nova York e ama café, a dica da Bruna é andar pelo West Village. “Lá tem diversas opções deliciosas e tem até uma loja chamada Porto Rico Importing Co.(aberta desde 1907), com diversos tipos de grãos”, indica. Segundo ela, os funcionários explicam tudo sobre os cafés e é super bacana.

Agora, veja mais 3 recomendações:

1 . Bakeshop by Woops

548 Driggs Ave.
Brooklyn, NY 11211
Phone: 718-384-4410

(Esse é o endereço da unidade de Williamsburg. É só clicar no link ali em cima, no nome da cafeteria, que dá para consultar os outros).

Dica da Bruna: “Meu coffee shop preferido de NY e a melhor unidade é a de Williamsburg. É MUUUUITO charmoso, o café delicioso, e os docinhos e macarons são de comer rezando. Amo trabalhar de lá”.

2 . TAP NYC

267 Columbus Avenue.
New York, NY – 10023

Dica da Bruna: “É um coffee shop “brasileiro”. Tem tapiocas, o melhor pão de queijo, açaí… E o melhor: o cafezinho pode vir acompanhado até de um brigadeiro. Não tem melhor combinação”.

3 . Blue Bottle Coffee

São 12 unidades em Nova York. Consulte aqui o mais próximo de você.

Dica da Bruna: “Esse coffee shop é mais descolado, costuma até ser mais simples que os outros, mas eles tem um café gelado que eu adoro durante o verão. Café gelado para nós brasileiros pode parecer estranho, mas depois que experimentei fiquei viciada”.

No blog Cappuccino e Cia, tem mais dicas de cafeterias em Manhattan.

O que achou das dicas de cafeterias em Nova York? Conhece alguma delas ou quer acrescentar dicas na lista? Escreva nos comentários. Compartilhe nas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Fotos: Reprodução/Instagram/NYC Tips

Compartilhe com seus amigos:

Reutilização de filtro de café faz parte do trabalho deste poeta

O nome dele é Carlos La Terza. Esse mineiro, de São Lourenço, no sul de Minas Gerais, tem 31 anos e escreve poesias desde os 13. Do ano passado para cá, ele tem se dedicado mais intensamente a um projeto literário com reutilização de filtro de café para abrigar suas palavras. “Sempre foi algo que cultivei e procurei levar em frente. Sou professor de redação e Inglês também. Sinto que nunca vou conseguir parar de escrever, é uma terapia. Escrever me emociona, muito”, conta.

Você vai gostar de ler:

Confecção de livros com reutilização de filtro de café

La Terza diz que já perdeu as contas de quantos livros escreveu usando filtros de café. E tudo é feito de forma artesanal, usando máquina de escrever. O primeiro deles, intitulado de Leite de Pedra, vendeu mais de 500 exemplares.

O poeta Carlos La Terza (Divulgação)

Tudo começou porque ele estudou o mercado e a cultura, as tendências do universo literário contemporâneo, e percebeu a oportunidade. “Busquei o formato e o material por algum tempo, passando por papel de pão, guardanapos, entre outros. Como sou viciado em café, os filtros aqui em casa se acumulavam de 3 em 3″, conta.

Do filtro sujo ao livro foi um pulo. A tinta de café foi a solução para a capa, também provinda do vício e dos fundos de xícara com aquele restinho, sabe?

O mais legal é que a iniciativa sustentável acabou ganhando colaboradores, contagiou as outras pessoas. Muitas delas, sabendo do projeto, deixaram de jogar fora seus filtros de café sujos e passaram a enviar para ele. “Eu lavo e prenso os filtros. No final desse processo, eles estão prontos para serem páginas. Os poemas são datilografados em máquina de escrever, um a um”.  A máquina foi presente de um querido tio, que a usava em seu escritório nos anos 90.

O livro vem com cheirinho de café. Isso porque a capa, também artesanal, é pintada com tinta feita da bebida. “O livro é fechado com lã ou com linha encerada. A cada edição tento mudar algo no fechamento mas de forma sutil. Gosto do formato simples”, reforça.

Segundo ele, a temática varia. “Pode surgir de uma conversa, de um encontro ou de um sentimento que exige sair para o mundo de alguma forma. Desde o amor e as relações humanas como amizade e confiança, apego… Passando por temas políticos ou simples observações despretensiosas do cotidiano, em pequenos Haikais”, completa.

Além de livros, Carlos também faz quadros com poemas, usando a máquina de escrever e os filtros de café. “Faço outros trabalhos em parcerias com artistas sul mineiros e logo lançarei uma linha de camisetas com meus poemas”.

Foto: livro e quadro feitos com reutilização de filtro de café, com a ajuda da máquina de escrever. (Divulgação)

Hora do cafezinho

La Terza contou na entrevista que nem sabe quantas xícaras consome por dia. “Conhecido como um ativador de memórias, o cafezinho me acompanha desde a escrita até o trabalho manual nos livros, o que nos torna uma dupla. Eu e o café, o café e eu”.

Tomar café é ativar a mente com prazer e poesia. Meu tipo preferido é o expresso curto. Tenho uma paixão por café de qualidade coado também, creio que pela lembrança familiar da coisa.

Onde comprar

O projeto de livros e quadros com reutilização de filtro de café funciona de forma independente. Quer conhecer mais de perto? Acesse o perfil no Instagram @poetalaterza. Os livros custam R$ 35 cada e são enviados sem frete para a região Sudeste.

O que achou do trabalho do poeta com reutilização de filtro de café? Conhece mais algum trabalho bacana que envolva o café? Conte nos comentários. Compartilhe usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.

Foto de destaque: Divulgação

Compartilhe com seus amigos: