Mudas de plantas vão parar em cápsulas de café

Se você usa café em cápsulas com frequência já deve ter reparado a sua quantidade de lixo aumentou, não é mesmo? O que você faz com cápsulas de café usadas? Muitas pessoas ainda têm o hábito de jogá-las no lixo comum, mas existe também quem pensa no destino delas de forma mais sustentável.

Você vai gostar de ler:

Projeto usa cápsulas de café para colocar mudas de plantas

As principais empresas que vendem cafés em cápsulas têm se preocupado com o descarte correto cada vez mais e estão buscando alternativas e ações que engajem seus consumidores. Mas, a realidade está longe de ser a ideal. Segundo estimativa da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), em 2019, serão consumidas 16 mil toneladas de café por meio dessas cápsulas. Acadêmicos do bacharelado em Ciências Biológicas da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) encontraram uma utilidade nada convencional para a reutilização dessas embalagens: abrigar mudas de orquídeas e suculentas.

A aluna Diliane Harumi Yaguinuma, que está envolvida na iniciativa, conta que as mudas de suculentas foram produzidas por eles, já as de orquídeas foram doadas pelo docente da graduação, Dr. Nelson Barbosa Machado Neto. “Realizamos uma campanha para a arrecadação na comunidade em geral. Esses pequenos vasinhos poderão dar um toque diferenciado nos jardins e residências. Agora é só aguar e cuidar para que essas plantinhas se mantenham com vida e saudáveis”, conta Diliane.

“Além da produção extra de lixo, existe outro agravante: o desinteresse ou a dificuldade em realizar a reciclagem das cápsulas. Por serem muito pequenas e compostas de alguns materiais não recicláveis, muitas são simplesmente descartadas como lixo orgânico por causa da borra de café”, acrescenta Diliane.

Leia também:

Os pequenos vasos serão distribuídos gratuitamente aos participantes da 23ª Jornada de Educação da Faculdade de Artes, Ciências, Letras e Educação de Presidente Prudente (Faclepp/Unoeste), que será realizada entre os dias 22 e 27 de maio.

O que achou da ideia de projeto sustentável com cápsulas de café? Conhece mais alguma iniciativa nesse sentido? Conte nos comentários. Ações como essa merecem ser compartilhadas! Não se esqueça de usar a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo nas suas redes sociais. 

Fotos: Gabriela Oliveira

Compartilhe com seus amigos:

Capa de celular diferente faz café na hora

O smartphone já é praticamente parte do corpo da maioria das pessoas hoje em dia, não é? A notícia boa é que agora a gente não precisa mais se preocupar com aquela vontade louca de tomar café quando não tiver nenhuma cafeteria por perto. A Mokase é uma capa de celular diferente que faz café, não importa a hora nem o lugar.

Mokase: a capa de celular diferente vem da Itália

A ideia é dos designers italianos Luigi Carfora e Clemente Biondo, da Smart K. Eles se inspiraram justamente nesses momentos em que buscamos um cafezinho e não tem nenhum lugar por perto para matar a vontade.

Você vai gostar de ler:

O projeto está disponível em um site de financiamento coletivo, onde também é possível encontrar mais detalhes. A capinha tem menos de 1 cm de espessura e espaço para guardar um sache de café selado a vácuo. Ao acionar o comando por um aplicativo, o sache é aquecido e pode ser servido, abrindo uma espécie de “portinha” na capinha. Essa “portinha” rompe o  lacre do sache.

Veja o vídeo:

O capa de celular diferente tem uma bateria de lítio e pode aquecer cerca de 25 ml de café em até 8 segundos. Esse calor, por sua vez, não estraga o aparelho, segundo os desenvolvedores. Para recarregar, basta conectar a capinha a uma entrada USB.

São algumas versões disponíveis, compatíveis com Iphone 6, 6S e 7, além de opções para celulares Samsung e LG. O copinho, também criado por eles, é dobrável e pode ser usado como chaveiro. Legal, né? A primeira entrega está programada para setembro deste ano e o preço depende do kit escolhido. Acesse o site de financiamento coletivo.

Capa de celular diferente, cheia de design e ainda faz café? Que a ideia se multiplique. Gostou da ideia? Comente e compartilhe nas suas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Fotos: Divulgação

Compartilhe com seus amigos:

Quer fazer novos amigos tomando café? Sente-se neste banco

Além de ser uma delícia, o cafezinho pode ser um ótimo aliado para te ajudar a fazer novos amigos. Sabendo disso, a Nescafé Itália promoveu uma ação incrível durante a Semana de Design de Milão justamente com a ideia de ajudar as pessoas construir novas amizades, usando o café.

Ação da Nescafé Itália ajuda a fazer novos amigos

Imagine que você esteja sozinho em um lugar público, como uma praça ou um shopping, por exemplo. Aí pega o seu cafezinho e se depara com um banco vazio para se sentar e relaxar. Maravilha, né? Agora, quando já tem alguém sentado, a tendência (sem generalizar) é que você se sente na outra ponta e que não troque uma palavra sequer com a outra pessoa.

Você vai gostar de ler:

Para desconstruir esse comportamento, a Nescafé Itália fez um banco diferente. A todos que passavam pelo espaço público era oferecida uma caneca com café e o banco ficava ali, bem na frente, como um convite para sentar e apreciar a sua bebida.

Sempre que uma pessoa estivesse sentada em cada extremidade, o banco era ativado e ficava mais curto, aproximando as pessoas. Uma ideia divertida e que quebra o gelo, fazendo com que as pessoas comecem uma conversa na hora. Um bom jeito de fazer novos amigos, não?

Pegue um cafezinho e dê o play no vídeo:

Leia também:

O café já te ajudou a fazer novos amigos? Conte nos comentários e compartilhe nas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Foto: Reprodução/Youtube

Compartilhe com seus amigos:

Café suspenso é tradição na Itália. Já ouviu falar?

A tradição do café suspenso tem origem na cidade de Nápoles, no Sul da Itália. Não se sabe exatamente como tudo começou, mas é certo que foi no período da Segunda Guerra Mundial. Em um tempo de tanta escassez, o café suspenso era – e ainda é – considerado um pequeno gesto de gentileza protagonizado pelo café: você paga o seu e deixa mais um pago para o próximo cliente que não tiver condições financeiras, tudo de forma anônima.

Você vai gostar de ler:

Café suspenso: de Nápoles para o mundo

A história do café suspenso começou em Nápoles e, aos poucos, foi se espalhando pelo resto da Itália e para outros países do mundo. Hoje, até mesmo cafeterias no Brasil praticam a ideia. Alguns lugares são mais organizados quanto a isso: ou fazem uma lista dos cafés suspensos e deixam no caixa para controle ou deixam um recipiente no balcão para que os recibos sejam depositados. Assim, quem não tem como pagar, entra, pega o recibo e toma o seu café. Claro, que depende muito da honestidade de quem atende, mas aí já é outra história.

Tomar café na Itália faz parte da cultura e é também um ato social. É um bom motivo para fazer aquela pausa no meio do dia, bater um papo e descansar a cabeça, além do que essa é uma boa maneira – e barata – de se fazer o bem sem olhar a quem. Afinal, todo mundo merece um cafezinho, né?

Experiência da Editora na Itália

Como surgiu no Sul da Itália, a prática do café suspenso é mais comum à medida que se chega mais perto de lá. Passei exatos 3 meses no Norte da Itália, para fazer o processo da minha cidadania italiana, e uma das tradições que eu mais queria ver de perto era essa.

Fiquei perto da cidade de Treviso, na região do Veneto. Foi lá na cidade de Istrana que encontrei essa plaquinha. Na legenda tem a tradução:

Essa foi a única cafeteria de todas que eu fui que encontrei um aviso sobre o café suspenso. Acho provável que tenha em muitas das que eu estive, mas não é tão explícito. Esse ano pretendo retornar à Itália e aí, sim, vou visitar todas as cafeterias que ficaram só na vontade.

Aqui no Brasil sei que isso acontece em alguns lugares porque já vi pela internet e pelas redes sociais, mas, de fato, nunca presenciei um estabelecimento que pratique o café suspenso por aqui. Quem conhecer algum bacana pode colocar nos comentário que eu vou amar saber.

De coração, torço para que essa iniciativa se espalhe. Acho lindo o poder transformador que o café pode oferecer para a sociedade.

Comece você a corrente do café suspenso

Deixo aqui uma sugestão para fazer na Itália, no Brasil ou onde você estiver: quando parar para tomar um cafezinho e puder, é claro, deixe mais um pago. Avise ao atendente para oferecer a quem não puder pagar. Comece a corrente. Quem sabe você não inspira mais alguém pelo caminho!

Leia também:

O que achou da tradição do café suspenso? Conte sua opinião nos comentários e compartilhe com seus amigos usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.  

Foto de destaque: Pixabay

Compartilhe com seus amigos:

Café Starbucks vai abrir megaloja em Chicago, nos EUA

Se você é apaixonado pelo café Starbucks, vai gostar dessa notícia. A maior rede de cafeterias do mundo anunciou na última quarta-feira, dia 26, que vai abrir uma megaloja, como essa da foto, na cidade de Chicago, nos Estados Unidos, em 2019.

Você vai gostar de ler:

O que vai ter de diferente na loja do Café Starbucks de Chicago?

Essa loja do café Starbucks vai estar na Michigan Avenue, uma das ruas comerciais mais conhecidas do mundo. Lá, os consumidores vão poder curtir o ambiente e acompanhar todo o processo de preparo do café, desde a torra até a embalagem, de forma interativa. Além disso, bebidas novas e exclusivas serão servidas por lá.

E mais: lá vai ser possível encontrar os cafés com lotes limitados, que são lançados pela marca de tempos em tempos, e também vai ter cardápio especial para almoço e jantar.

Serão 4 andares, totalizando 43 mil metros quadrados, totalmente dedicados a uma verdadeira experiência tanto com o café como com a marca. Ou seja, poderemos morar lá!

O Chicago Reserve® Roastery é a terceira loja do café Starbucks que segue esse conceito nos Estados Unidos. A primeira foi aberta em Seattle, em dezembro de 2014. Em Nova York, a previsão é de que seja aberta em 2018. Existem planos de abrir também em Xangai e Milão, no final de 2017, e em Tóquio, com previsão para 2018.

Leia também:

Tem notícia melhor para quem ama tomar #UmCafezinhoPeloMundo? O que achou da notícia do novo café Starbucks em Chicago? Conte para os seus amigos e compartilhe nas suas redes sociais. 

Foto: Divulgação/Starbucks

Compartilhe com seus amigos:

Nesta cafeteria em Kyoto você passa o dia com Pugs

Quem aí gosta de cachorro? Difícil encontrar quem não goste e quem não conheça essas carinhas mais fofinhas tão populares nas redes sociais. Tem uma cafeteria em Kyoto, no Japão, que, além de cafezinho, te oferece a oportunidade de passar um tempinho com pugs.

Leia também:

Pugs fazem sucesso em cafeteria em Kyoto

O nome da cafeteria é Dog Salon Living Room e é lá que estão 11 lindos Pugs para te fazer companhia durante o café. Um verdadeiro time de futebol pet que só tem amor para oferecer para quem passa por lá.

Quem quiser passar por essa experiência fofa maravilhosa, pode escolher entre duas opções: pagando R$ 14 (500 yen) uma pessoa pode pedir até uma bebida e ficar por lá até uma hora ou pagando R$ 28 (1000 yen) uma pessoa pode passar o dia todo curtindo os pets e tomando cafezinhos ilimitados. Já pensou que delícia?

O Dog Salon Living Room, cafeteria em Kyoto, funciona das 13h às 17h no horário local e é preciso fazer reserva com antecedência. O local é fechado às terças e quartas.

O endereço é Kyoto-fu, Kyoto-shi, Ukyo-ku, Saiinnakamizu-cho 18-4.

Para fazer reservas, o número de telefone é 075–874–7989.

Você vai gostar de ler:

Vamos tomar um cafezinho no Japão com essas fofuras?

O que achou dessa cafeteria em Kyoto? Coisa mais linda, né, gente? Compartilhe com seus amigos nas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. Conhece mais alguma cafeteria com temática diferente pelo mundo? Conte aí nos comentários. 

Fotos: Reprodução/©RocketNews24

Compartilhe com seus amigos:

Brasileiro faz convite para um café e publica experiência no Instagram

Um brasileiro de 30 anos começou um projeto muito interessante pelo Instagram. Victor Freitas chama os amigos que tem nas redes sociais, faz um convite para um café e depois publica a experiência em sua conta. Ele mora em São Paulo e explica que foi inspirado pela iniciativa de Matt Kulesza, um australiano que criou um projeto similar com o objetivo de encontrar pessoalmente os seus amigos virtuais.

Você vai gostar de ler:

Victor deu o ponta pé inicial no projeto em agosto de 2016 e o convite para um café com amigos do mundo digital é semanal. “Após ter passado por um momento de depressão, tomei a decisão de fazer algo novo e também aproveitar para conhecer mais quem eu supostamente conhecia. Percebi que, na verdade, eu não conhecia nem mesmo as pessoas que moravam comigo. Tem sido uma ótima oportunidade para aprender com suas histórias“, diz.

​Convite para um café: conheça melhor o #CafeComVito

Victor conta que até agora tem quase 60 registros no seu Instagram e que algumas pessoas já participaram e aceitaram o convite para um café, mas não quiseram que fosse publicado, o que totaliza uma média de 80 cafés. “Quando eu convido alguém é porque aparece o nome em alguma rede social minha e eu penso: ‘poxa, gostaria de tomar café com essa pessoa'”. Mas, de acordo com ele, também pode ocorrer de amigos cobrarem ou mesmo pedirem para participar e não tem regra nem seleção.

Café com Vito #59 – Isabela Gómez Nos últimos anos eu me dediquei bastante ao trabalho. Não que não me dedique mais, até porque atualmente estou trabalhando em vários projetos. Mas isso me fez me questionar bastante ultimamente. A vida adulta traz muitas responsabilidades, e com ela chega o cansaço e as incertezas. Talvez seja a idade, 30, que tenha trazido momentos de reflexão sobre o que quero e para onde vou. Percebi que essas responsabilidades na verdade pesam porque abraço mais do que posso suportar. Seja por mim mesmo ou porque aprendi que seria bom, ou tem que ser, dessa forma. É necessário pisar um pouco no freio às vezes. Recentemente tive a oportunidade de voltar a morar na minha cidade. Perto da minha família, velhos amigos e principalmente da minha filha. Uma decisão que me trouxe mais paz e capacidade de olhar as coisas de uma outra perspectiva. Tenho aprendido que não preciso viver para trabalhar, que é importante aproveitsr mais a vida e o que ela tem de tão bom. Todas as coisas vão se encaixar como devem ser, mas eu preciso me encaixar mais no aqui e agora, estar presente. Bela, que tenhamos mais cafés iguais a esse. Foi ótimo e passou muito rápido, tanto que nem vi que já éramos os últimos clientes. Muito obrigado pelo papo e companhia. Nos vemos no próximo. ☕ . . . Eu convido pessoas (sejam conhecidas ou não) para tomarem um café comigo a fim de estreitar e explorar os relacionamentos interpessoais que acabamos perdendo nessa era digital. O texto, que acompanha as fotos, é a minha reflexão sobre o que conversamos. Vamos tomar um café? #cafecomvito

Uma publicação compartilhada por Victor Freitas (@viktorfreitas) em

A conversa ocorre naturalmente, sem roteiro. Ele procura também conhecer as histórias de vida das pessoas na essência, e não só o que elas fazem para viver e suas questões de trabalho, problemas ou mesmo as conquistas do dia a dia. “​Focamos muito na vida digital e esquecemos de ter conversas reais olho no olho. E quando um “desconhecido” para para te ouvir, te conhecer de verdade, é algo que pode ser maravilhoso. As pessoas, muitas vezes, se emocionam”, comenta.

Leia também:

Abordar pessoas completamente desconhecidas nas cafeterias também é algo que está nos planos de Victor. “Ainda não o fiz. Não tenho ideia de como vai ser, apenas vou deixar acontecer”, completa.

Australiano começou o seu projeto em 2014

Matt Kulesza é o australiano de 28 anos, que inspirou o #CafeComVito. Ele decidiu marcar encontros em cafés com seus mais de mil amigos no Facebook. A iniciativa leva o nome de “1000+ Coffees”  e tudo fica registrado no blog. Em reportagem ao Portal G1, ele contou que, na rede social, ele só tem pessoas com quem já encontrou pelo menos uma vez.


​​A tecnologia facilitou muita coisa, é verdade, mas também vem causando uma super transformação na forma como nos relacionamos com as pessoas. Que essa proposta se multiplique não só na rede, mas no nosso dia a dia! Por menos dedo na tela e mais olho no olho. Não é incrível o que um simples convite para um café pode fazer?

Sabe aquele amigo que você não vê faz tempo e que mora na mesma cidade? Que tal fazer um convite para um café? Conte para gente o que achou usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Fotos: Reprodução/Instagram

Compartilhe com seus amigos:

Café oferece emprego para pessoas com deficiência

Hoje é o Dia Internacional da Síndrome de Down e vamos aproveitar para mostrar um exemplo inspirador e que tem tudo a ver com café. A cafeteria Bitty & Beau’s, que fica na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, oferece emprego para pessoas com deficiência, inclusive aquelas com Síndrome de Down.

Foto: Reprodução/Facebook

Cientes da dificuldade que as pessoas com qualquer tipo de deficiência têm para encontrar um posto de trabalho em seleções tradicionais, os donos Amy Wright e o marido resolveram fazer diferente. A ideia de oferecer emprego para pessoas com deficiência surgiu porque eles são mesmos são pais de dois filhos com Síndrome de Down.

Defensores da inclusão e aceitação de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, a cafeteria abriu as portas em janeiro de 2016, com 19 funcionários. Todos eles com deficiências intelectuais e de desenvolvimento. Hoje, são mais de 40 empregados.

Viva a diversidade! Vamos torcer para que iniciativas como essa se espalhem pelas cafeterias do Brasil e do mundo, né?

Endereço:

4949 New Centre Drive
Wilmington, NC 28403

Conheça um pouco mais sobre eles (vídeo em inglês):

Emprego para pessoas com deficiência ainda é uma dificuldade

Casos extremos existem. Mas, vale considerar que também existem pessoas com deficiências físicas ou mentais que são perfeitamente capazes de realizar qualquer trabalho com o mesmo rendimento e comprometimento que qualquer outra pessoa.

No Brasil, o cenário vem melhorando, o que demonstra uma leve queda no nível de preconceito na sociedade. Nesta terça-feira, o Ministério do Trabalho informou através da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) que 32.144 pessoas com deficiência mental ou intelectual ocupam postos de emprego formal no Brasil. Em 2013, esse número era de 25.332.

Você vai gostar de ler:

O que achou do exemplo desse café que dá emprego para pessoas com deficiência, nos Estados Unidos? Tomara que a ideia se espalhe pelo mundo! Dê a sua opinião usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo e compartilhe com os seus amigos pelas redes sociais. 

Foto de destaque: Reprodução/Facebook

Compartilhe com seus amigos:

Café mais bonito do mundo fica em Budapeste, na Hungria

O New York Café abriu suas portas em 1894, em Budapeste, na Hungria. Em seleção feita pelo UCityGuides ele foi considerado o café mais bonito do mundo. É maravilhoso mesmo! Tão lindo que emociona. Logo que eu entrei, uma pequena orquestra tocava música clássica bem ao fundo, na parte superior. Assim que terminou, o pianista, que estava posicionado do outro lado do salão, começou o seu show. Teve, inclusive, “Garota de Ipanema”.

Não tem como não se emocionar, a sensação é de que se está voltando no tempo, entrando em um livro de história. Falando nisso, vou contar um pouco da história do lugar para vocês.

A história do café mais bonito do mundo

O New York fica no edifício Grand Boulevard, um dos mais lindos de Budapeste. Tudo começou no século XIX, mais precisamente em 1894, e era o ponto de encontro de intelectuais e artistas da época. A alta sociedade não era tão adepta ao local como era esperado porque não gostava das esculturas na parte externa, que lembram diabos. Isso, por sua vez, agradava aos artistas e intelectuais.

Você vai gostar:

Foto: Site Oficial/Reprodução

Os atendentes eram especialmente treinados para saber os hábitos e horários dos seus clientes, um diferencial considerável para a época. Com o passar do tempo e os períodos de guerra, o New York passou por períodos de pausa e trocas de gerência até que em fevereiro de 2001 o grupo italiano Boscolo comprou o prédio para instalar o Boscolo Hotel Budapest e, então, restaurar o café, preservando toda a história e o tanto que cultura que está guardada ali.

A decoração é repleta de mármore, veludo vermelho, ouro e bronze, além de abajures venezianos, que são verdadeiras obras de arte. O teto é um show à parte, com afrescos de Gusztáv Mannheimer e Ferenc Eisenhut, trazendo referências de meados dos anos 1800.

Foto: Site Oficial/Reprodução

Desde 2006, quando acabou a reforma, é possível parar para observar e saborear um cafezinho ou mesmo jantar. Para quem não quer ter surpresa na hora da conta, dá para consultar o cardápio e os preços em euros pelo site.  Uma verdadeira viagem à Belle Èpoque com cafés excelentes. Vale a visita!

New York Café – Budapeste

Erzsébet körút 9-11, Budapeste, Hungria.

Funciona de segunda a domingo, das 8h às 00h.

O que você achou do café mais bonito do mundo? Já passou por lá ou tem vontade de conhecer? Conte nos comentários ou compartilhe nas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Foto de destaque: Site Oficial/Reprodução

Compartilhe com seus amigos:

Café na casquinha chega a São Paulo

Quem anda circulando pelo bairro do Itaim Bibi, em São Paulo, já pode ter visto a novidade do momento: café na casquinha. A foto, provavelmente, você já viu pelo Instagram ou por outra rede social. O jeito diferente de saborear a nossa bebida favorita é possível encontrar na Davvero Gelato,  que tem 2 anos em São Paulo é conhecida por sua linha de produtos sem glúten e sem lactose.

Café na casquinha: onde tem e quanto custa?

A Davvero Gelato vende essa delícia por R$ 12. A casquinha é preparada diariamente de forma artesanal pela equipe da gelateria. E tem mais: antes de colocar o cafezinho, tem uma camada generosa de chocolate belga Callebaut. Já o café é Nespresso e você pode escolher entre os 4 tipos de cápsulas disponíveis.

Você pode gostar:

A loja tem dois endereços em São Paulo, mas, por enquanto, só o do Itaim Bibi é que serve o café na casquinha com chocolate para quem quiser provar. Confira:

Unidade Itaim Bibi

Rua Pais de Araújo, 129, Itaim Bibi, São Paulo – SP

Telefone: +55 11 3881-6552

Onde começou a ideia do café na casquinha?

O grande inventor dessa maravilha de café na casquinha é o barista Dayne Levinrad, que trabalha no The Grind Coffee Company, na África do Sul. Ele patenteou a invenção, com a sua receita oficial, mas, é claro, que é possível encontrar opções parecidas pelo mundo todo, como essa que a gente acabou de ver.

E aí, curiosos para provar o café na casquinha com chocolate? Lógico, né? Compartilhe com a gente a sua opinião nos comentários e nas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.

Foto de destaque: Divulgação/Davvero

Compartilhe com seus amigos: