Café Regatta em Helsinque, na Finlândia

Antes mesmo de comprarmos as passagens, eu e Flavinha (minha cunhada, mas muito mais que isto, uma das minhas melhores amigas) sabíamos que o Café Regatta em Helsinque seria uma das experiências incríveis na terra do Papai Noel.

Havíamos feito uma promessa de não comer doce até o início de Dezembro para ajudar alguém querido a superar uma questão de saúde, então não víamos a hora de nos deliciar propriamente nesta fofura de café.

Nacionalmente conhecido por seus Cinnamon Buns, uma rosca com massa fofinha enrolada em canela e açúcar, feitos no dia e servidos ainda quentinhos, o Café Regatta foi o mais especial em que já estive e você irá entender o porquê a seguir.

O que você vai encontrar no Café Regatta em Helsinque?

Obviamante, há o fator pessoal de que eu e Flavinha somos apaixonadas por cinnamon buns – originalmente da Suécia e chamada de Kanelbullar, porém naturalmente difundida pela Escandinávia e também pelo mundo.

Nos países desta península, é comum colocar sementes de cardamomo na massa. Isso fez com que nossa ansiedade para conhecer o Café Regatta só crescesse.

Leia também: 

Fomos de transporte público, logo pela manhã e morrendo de fome. Já a chegada foi uma linda supresa.

O café fica afastado do centro da cidade e tivemos de passar por umas florestas, até avistarmos o mar e uma casinha de madeira vermelha isolada.

Ela era envolta por cercas baixas e rodeada de um jardim com muitos pinheiros e enfeites de Natal, mesinhas e, no meio, uma fogueira com bancos cobertos em peles para você se aquecer.

A beira do mar estava congelada e o cheirinho de lenha queimada era um sonho. Seguir o “caminho” demarcado para entrar na cabana vermelha-vinho foi próprio de filme.

Havia muitas pessoas dentro, mas não foi difícil conseguir um lugar porque várias estavam indo embora.

Para entrar na casa, um machado encravado na porta fazia-se de puxador:

O Café Regatta parece uma casinha daqueles duendes inventores de contos, que têm um monte de bugiganga espalhada por todos os lados.

Tem coisa pendurada no teto, as estantes são cheias de objetos, as paredes de quadros, as janelas são decoradas, o clima estava bem natalino e a sensação de estar na casa dos avós e de que você é neta do Papai e Mamãe Noel é inegável.

Você vai gostar de ler:

Achei muito engraçado esse quadro contornando a esquina da parede:

Essa cortininha é o que separa o “salão” da área de serviço.

Reparem também no leme no teto e nas várias premiações do Café Regatta pela parede:

Cortadores de biscoito, patins de gelo, skis e caldeirão pendurados no teto:

Duendes dentro de um balde, sapatos de salto e uma corda presa à porta, garantindo que ela fechasse automaticamente para ninguém morrer de frio, se algum distraído esquecer de fechar a porta:

Mais quadros e lugar para pendurar os casacos. Realmente uma comunidade hahaha:



Vista da janela para o mar congelado:

Leia também:

O que comer no Café Regatta em Helsinque?

Na hora de fazer o pedido me deparo com tudo em Finlandês, mas há sim um menu em Inglês, além das opções estarem disponíveis visualmente:

As atendentes são fofas, parecem auxiliares do Papai Noel! Eu perguntei e elas disseram que o Café Regatta é uma empresa familiar com mais de 15 anos de vida.

Hora de apontar o dedo e escolher: nós simplesmente pedimos quase tudo! Fizemos um brunch – ou café da manhã (bem) reforçado:

– Torradinhas de salmão com Crème Fraîche;

– Biscoito de gengibre, típico nesta época do ano;

– Quiche de brócolis e ricotta gluten-free;

– Karjalanpiirakka ou Karelian Pirog, em inglês: esse salgado diferente que você está vendo na foto é tradicional na Finlândia e é muito gostoso, tem sabor de comidinha de vó.

É uma massinha bem fina de centeio em volta desse recheio de arroz molinho e quentinho.

O míni-copo ao lado contém manteiga de ovo (manteiga misturada com ovo cozinho bem picadinho), para você colocar em cima, olhem como é por dentro:

Depois veio a segunda rodada, a principal: cinnamon buns! Sabe quando você até retarda o processo na esperança do momento nunca acabar?

Eu já tinha deixado tudo pago, então voltei pro balcão e peguei nossas roscas de canela e cafés.

Você vai gostar de ler:

Sobre o café: não há maquina de café espresso. Apenas café coado e você pode escolher se quer o forte ou o fraco / com leite ou sem leite.

Escolhi o forte e estava bem gostosinho! Claro, não posso dizer que foi um dos melhores cafés que já tomei, mas o que é importante entender aqui é que o Café Regatta se trata de uma experiência muito além da bebida.

O que, sem dúvida alguma, eu posso afirmar ter sido o melhor da minha vida é o cinnamon roll. Macio, feito em casa e do dia, com essa crosta de amêndoas açucaradas:

Outro “close”: 

Por dentro:

O sabor estava um sonho, mas é indescritível, vocês terão de ir provar vocês mesmos um dia!

Terminamos de beber, conversar e rir da conversa alheia (como o Café Regatta é pequenino, ficamos bem juntinhos dos outros e havia uma moça atrás da gente que só falava em possíveis tragédias e coisas tristes e reclamava, mas como eu e Flavinhas estávamos plenas e nas nuvens, a energia dela se tornou em um mero detalhe da nossa experiência.

Até isso parecia de filme, pois ela falava e falava e reclamava e os companheiros dela ficavam com aquela cara de: “Ai ai… O que responder para tantas neuras?”.

Chegou a hora de nos despedirmos do Café Regatta, mas claro que antes pedimos para a nossa vizinha de mesa registrar nosso momento tão querido:

Ao sair, o cheiro de lenha queimada toma conta da gente e reparei nos detalhes mágicos, que não havia reparado quando entrei, de tanta euforia quando chegamos.

Leia também:

Tinha uma vassoura de bruxa, roupas do Papai Noel penduradas no varal e mais bugigangas!



Para finalizar e resumir: agora posso dizer que já fiz parte de um conto de fadas natalino! Gratidão à vida, a mim e à minha parceira de momentos, Flavinha.

Você vai gostar de ler:

Fernanda Rodante é formada em Direito e Gastronomia; sua independência a fez mudar da cidade onde nasceu para o mundo; e seu exagero sagitariano transforma todos seus interesses em paixão, como escrever, compartilhar e conhecer. Enxerga a vida como uma coleção de momentos e um de seus sonhos é montar o seu próprio Café, mas enquanto isto não acontece, ela vai estudando da melhor maneira possível: explorando! 

Compartilhe com seus amigos:

Brunch em hotel: 5 boas opções em São Paulo

O brunch é uma refeição famosa nos Estados Unidos, mas surgiu na Inglaterra e também faz sucesso em outros lugares do mundo, inclusive aqui no Brasil. A palavra brunch nada mais é do que a junção de duas palavras: breakfast (café da manhã, em inglês) e lunch (almoço, em inglês). Fato é que tem café! Como adoro esse tipo de refeição e sei que muita gente curte também, elaborei uma listinha esperta com as alternativas de brunch em hotel, com os 5 melhores da cidade de São Paulo.

Você vai gostar de ler:

Brunch em hotel em São Paulo: não precisa ser hóspede para aproveitar

Geralmente, o brunch de hotel conta com um cardápio de café da manhã, mas também tem opções de pratos com a cara do almoço. Todas as opções que vou sugerir aqui, paga-se um valor fixo por pessoa. Vamos ver?

1 . Renaissance 

No Hotel Renaissance, o brunch tem um buffet super variado e que muda a cada semana. No ambiente lindo e com vista, temos uma estação fixa com omeletes e ovos, tapioca, ovos Benedict, bacon, linguiça, batatas, pão de queijo, massas, salmão, escalope e sopa durante o inverno. Tem também mesa de pães e frios, saladas e sobremesas variadas, com prioridade aos ingredientes brasileiros. Brigadeiro, beijinho, gateau de açaí, pudim de leite, tortinha de cumaru com doce de leite são só algumas opções.  O brunch ocorre aos sábados e domingos, das 12h às 14h30.

> R$ 82 por pessoa *

> Endereço: Alameda Santos, 2233

> Telefone para reservas: (11) 3069-2233

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Renaissance São Paulo Hotel (@renaissancesaopaulo) em

2 . Maksoud Plaza

O Maksoud Plaza é outro hotel em São Paulo que tem a opção de brunch, sempre aos domingos. Olha só o que tem no cardápio: pães e frios diversos, ovos mexidos com bacon, frutas e salada de frutas, sucos (inclusive detox), saladas variadas, massas, filé de salmão, ovos Benedict, iogurte com redução de frutas vermelhas, mini tapioca de muçarela ao alecrim e banana,  mini croque monsier,  camarão na taça, torradinhas de tartar de mignon, risoto de aspargos verdes, mini bobó com frutos do mar, sopinha Vichyssoise e tostado de queijo coalho com melaço de cana e sobremesas variadas. O Brunch 150 Maksoud é servido das 12h às 16h, exceto entre 23/12/2018 e 20/01/2019.

> R$ 105 por pessoa *, incluindo só bebidas não alcoólicas, e R$ 179, com direito a Mumm Brut Cuvée.

> Endereço:Rua São Carlos do Pinhal, 424

> Telefone para reservas: (11) 3145-8000

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Maksoud Plaza Hotel (@maksoudplaza) em

3 . Emiliano

O Hotel Emiliano serve um brunch espetacular com pratos à la carte à vontade. No cardápio tem todos os típicos itens de café da manhã, com pães artesanais, ovos, frios, panquecas, geleias, cereais, frutas, sucos, café, chás, os clássicos ovos Benedictcroque monsieur e muito mais. Os pratos mudam semanalmente e o cardápio também tem opções ovolactovegetarianas e sem glúten, além de belas sobremesas. No valor estão inclusos vinhos branco e tinto da casa e espumante à vontade. O brunch é servido aos finais de semana e feriados, começa meio dia e vai até 16h.

> R$ 195* por pessoa

> Endereço: Rua Oscar Freire, 384

> Telefone para reservas: (11) 3068-4390.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Hotel Emiliano (@hotelemiliano) em

4 . Hilton 

No Hilton, o Armazém Morumbi serve um buffet bem variado de café da manhã, com pães, ovos, frios, geleias e tapioca. Tem também sopa, massas, carnes, acompanhamentos e saladas. Além de bebidas como café, leite, chá e suco de laranja, oferecem uma taça de espumante de welcome drink. O brunch é servido sempre aos finais de semana, das 12h30 às 15h30.

> R$ 85 por pessoa *

> Endereço: Av. das Nações Unidas, 12901

> Telefone para reservas: (11) 2845-0000

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Hilton São Paulo Morumbi (@hiltonmorumbi) em

5. Tivoli Mofarrej

No SEEN, aos domingos, das 12h30 às 16h, a experiência gastronômica é surreal e ainda temos uma linda vista 360° da cidade de São Paulo. No menu, temos: ovos Benedict, Mac and cheese rigatoni, fish and chips de bacalhau, além de pães (inclusive sem glúten), frios, bolos e frutas. E mais: saladas, massas, carnes, aves, peixes AND um sushi bar maravilhoso. As bebidas não alcoólicas estão inclusas e, de welcome drink, tem um Bloody Mary te esperando.

> R$ 150 por pessoa *. Crianças de até 5 anos não pagam e crianças até 11 anos pagam R$ 50.

> Endereço: ALAMEDA SANTOS, 1437.

> Telefone para reservas: (11) 3146-5923

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por SEEN (@seensaopaulo) em

* Os preços foram checados na data de publicação do artigo e podem ser alterados.

E aí, gostou das alternativas de brunch em hotel na cidade de São Paulo? Conhece algum? Comente sobre suas experiências e compartilhe com seus amigos pelas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.

Foto de destaque: Depositphotos

Compartilhe com seus amigos:

Le Café Marly: o café do Louvre podia ser melhor

Por fora, bela viola. Por dentro… Não vá com tanta expectativa assim para o café. Quem visita Paris possivelmente tem o Museu do Louvre na programação. Se você é como eu e não pode ver a palavra café escrita em algum lugar, que já quer entrar pra ver qual é, segura a emoção quando passar pelo Le Café Marly, o café do Louvre, bem de frente às pirâmides.

Vale a pena visitar o Le Café Marly, o café do Museu do Louvre, em Paris?

O Le Café Marly foi inaugurado logo após a reforma do Museu e construção do Carrousel du Louvre, aquele shopping subterrâneo que tem a pirâmide invertida, e isso foi em 1993. Ele é realmente lindo e chama a atenção dos turistas. A decoração clássica, assinada por Olivier Gagnère e Yves Taralon, faz jus ao peso cultural do local.

Passei mais de um mês em Paris e pude conversar com moradores da cidade que confirmaram isso: é um lugar pouco frequentado por locais. Tinha acabado de passar o ano novo de 2017 para 2018 e eu fui encontrar um amigo brasileiro que também estava na cidade. Como ele gosta de café e me conhece bem, paramos para descansar (se é que é possível se cansar em Paris rs) e conversar.

Agora, o Le Café Marly é bom? A parada para apreciar a movimentação de selfies e fotos dos turistas pode não ser tão vantajosa. Pode ser que para almoço, jantar ou happy hour seja interessante, mas aí já não posso julgar porque fui apenas para tomar um cafezinho mesmo.

O café espresso não é lá grande coisa e custa 5 euros. Minha dica: se você tem um dinheirinho a mais, peça um chocolate quente (7,50 euros) e tenha paciência. O atendimento dos garçons (que são lindos!) é bem ruim. Esteja preparado (a)! Nada tão recomendado quando não se quer gastar muito.

Le Café Marly

Endereço: 93 Rue de Rivoli (Linha amarela do metrô – Palais Royal Musée du Louvre)
Horário de funcionamento: todos os dias, das 8h às 2h.

Você vai gostar de ler:

Where to Drink Coffee

Gosta de dicas de cafeterias pelo mundo? Primeiro, continue acompanhando aqui. Meu objetivo de vida é visitar o máximo número de cafeterias que conseguir e compartilhar com você (adoro saber suas dicas também). Segundo, veja esse livro, uma das minhas descobertas mais felizes. Ele foi desenvolvido por 150 baristas e especialistas e traz 600 endereços para tomar café em 50 países, com dicas e tudo mais.

O livro é em inglês e tem na Amazon do Brasil. Clica na imagem aí do lado para saber mais detalhes e comprar.

O que achou do Le Café Marly? Já visitou? Conta aqui nos comentários. Vai para Paris logo e está fazendo seu roteiro? Comenta aqui também se essa dica te ajudou. 

Lembra que temos também o Booking.com direto aqui no blog para você pesquisar passagens e hospedagens? A caixinha está aqui no canto direito, se você está lendo pelo computador, ou aqui em baixo, se você está lendo pelo celular.

Fotos: Fernanda Haddad ©

Compartilhe com seus amigos: