Blue Box Café serve Breakfast at Tiffany´s em Nova York

Se você é fã do filme Bonequinha de luxo,  da atriz Audrey Hepburn e de café vai gostar da novidade. A joalheria Tiffany & Co. acaba de inaugurar o Blue Box Café no 4º andar da sua loja conceito na 5ª Avenida, em Nova York. Isso significa que agora todos podem ter o prazer de conhecer o verdadeiro Breakfast at Tiffany´s (esse é o título original do filme de Truman Capote, de 1961).

O que tem no Blue Box Café?

O Blue Box Café tem um cardápio simples e inspirador, sem deixar a exclusividade de lado. Os itens vão mudar de acordo com a estações do ano. São servidos clássicos americanos feitos com ingredientes de melhor qualidade sempre de origem regional.

Além do café americano (US$ 6), tem chás, espresso (US$ 5), cappuccino (US$ 7) e latte (US$ 7). Tem também opções para almoço, sobremesas e o clássico Breakfast at Tiffany completo (US$ 29).

Confira o cardápio do Blue Box Café na íntegra (em inglês) aqui. 

Leia também:

No mesmo piso do café também é possível conferir a nova coleção Home & Acessórios, com peças de decoração, uma linha de baixelas de prata esterlina, uma boutique infantil, uma seleção de livros vintage com curadoria da Assouline e um laboratório de fragrâncias.

A decoração é cheia de detalhes industriais, mármore e pedra amazonita, que reforçam o trabalho manual e artesanal da marca. Da escada que leva ao quarto andar dá para apreciar o lustre, que é uma instalação artística de quase 15 pés de altura, criado pela dupla de designs franceses Ronan e Erwan Bouroullec. O corredor é cercado pela letra “&” caligrafada e desenhada à mão. Um retrato de Charles Lewis Tiffany,  criado com 8 mil parafusos pintados a mão, dão um toque contemporâneo ao espaço.

O filme Bonequinha de luxo (Breakfast at Tiffany´s)

O filme de 1h55 é dirigido por Blake Edwards e conta a história de Holly Golightly, interpretada pela atriz belga Audrey Hepburn. Ela é uma garota de programa de Nova York que quer se casar com um milionário e ser rica, mas acaba se apaixonando pelo jovem escritor Paul Varjak, seu vizinho. Dividida entre o verdadeiro amor e suas ambições e futilidades, Holly escolhe tomar seus cafés da manhã em frente joalheria Tiffany. Por isso, o nome original do filme é Breakfast at Tiffany´s. 

A obra teve cinco indicações ao Oscar em 1962 e venceu em duas categorias: melhor canção original e melhor trilha sonora. Está disponível no Netflix para quem quiser ver.

Blue Box Café – Tiffany & Co

727 Fifth Avenue, New York

Horário de funcionamento: de segunda a sábado, das 10h às 17h30. Aos domingos, do meio-dia às 16h30.

Telefone: +1 212 605 4270

Tiffany & Co é a joalheria mais prestigiada do mundo e berço do design americano, fundada em 1837 em Nova York. São mais de 300 lojas em 28 países. O novo piso Home & Acessórios foi inaugurado no dia 1º de novembro e o The Blue Box Café, no dia 10 de novembro.

Alguém aí está com viagem marcada para a Big Apple e quer conhecer o Blue Box Café? Coloque no roteiro e compartilhe com seus amigos pelas redes sociais usando a #UmCafezinhoPeloMundo. 

Fotos: Divulgação

Compartilhe com seus amigos:

Museu do Café é passeio imperdível para coffee lovers

Já pensou em fazer uma visita ao Museu do Café, em Santos? Esse é um dos principais pontos turísticos da cidade e, para quem gosta da bebida, garanto que é um super passeio. Hoje vou contar um pouquinho de tudo o que você pode encontrar por lá. Vamos juntos?

A história do Museu do Café

O café e a cafeicultura no Brasil têm uma presença forte quando se considera o desenvolvimento econômico, político e cultural do país, iniciado em meados do Século XVIII. A proposta da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, ao restaurar o prédio e criar o museu em 1998, é justamente contar essa história.

Entre objetos e documentos, o museu tem exposições permanentes e temporárias e é lá dentro que fica a Bolsa Oficial do Café, inaugurada em 1922 como parte das comemorações dos 100 anos da Independência do Brasil. O Salão do Pregão, onde eram negociadas as cotações das sacas de café na época, funcionou até a década de 50. A partir daí, tudo passou a ser operado do Centro de São Paulo.

A mesa e as setenta cadeiras dos corretores ainda estão lá, envoltas de obras importantes de Benedicto Calixto. Merece destaque o vitral no teto, chamado de “A Epopeia dos Bandeirantes” que, entre uma série de representações, reproduz uma lenda cabocla do início da colonização brasileira relacionada à busca pelo ouro.

O Museu do Café conta ainda com o Centro de Preservação, Pesquisa e Referência Luiz Marcos Suplicy Hafers, que abriga documentos e publicações sobre café. O acervo é aberto ao público.

A Bolsa Oficial do Café é tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Santos (Condepasa), pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat) e pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Centro de Preparação de Café

Em meio a tanta história é que foi criado o Centro de Preparação de Café (CPC) dentro do Museu. Com o apoio técnico do Sindicato da Indústria do Café no Estado de São Paulo (Sindicafé) e o objetivo de trazer educação qualificada para profissionalização, o CPC atua na formação de baristas para o mercado com cursos e oficinas regulares.

Confira aqui a agenda dos próximos cursos e oficinas do CPC. 

Aos finais de semana, o CPC tem degustação de café gourmet ministrada pelo barista do museu. São R$ 10 por pessoa em vários horários: 10h30, 12h, 15h e 17h.

A Cafeteria do Museu

Em um espaço como esse, não podia faltar uma cafeteria, é claro! A Cafeteria do Museu foi inaugurada no ano 2000, no piso térreo. Por sete anos consecutivos eleita a melhor da Baixada Santista pela Revista Veja, o consumidor que entra ali tem uma experiência diferente e pode, inclusive, levar cafés diferentes para fazer em casa.

São servidos cafés especiais de várias partes do país, das melhores regiões produtoras, em diferentes métodos de preparo. Tem o Blend do Museu, café orgânico e também o famoso Jacu Bird, um dos cafés mais caros do mundo.

Aqui no Brasil, o Jacu Bird Coffee é produzido no Espírito Santo com autorização do Ibama. A ave, que é vegetariana, já escolhe os melhores e engole os grãos de café inteiros, sem mastigar. Depois de um rápido processo de digestão, que é natural do animal, o café é retirado das fezes para o consumo. A mágica ocorre no estômago do pássaro, onde o café passa por um processo de fermentação, que garante doçura e acidez.  Hoje, esse é considerado o café mais caro do Brasil.

Leia também:

Museu do Café de santos

Rua XV de Novembro, 95, Centro Histórico, Santos/SP
Funcionamento: de terça a sábado, das 9h às 17h; aos domingos, das 10h às 17h.
Telefone: +55 (13) 3213-1750
E-mail: museudocafe@museudocafe.org.br
Ingresso: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada)

Aos sábados a entrada é gratuita. Atividades e visitas especiais para grupos podem ser agendadas por telefone ou e-mail.

Vamos todos para o Museu do Café? O que acha de programar um passeio em família? Quem mora em São Paulo pode ir e voltar no mesmo dia. Se você já foi, conte nos comentários e compartilhe com seus amigos usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.

Fotos: Divulgação/Museu do Café

Compartilhe com seus amigos:

Cafeterias em Nova York: Bruna, do NYC Tips, dá as dicas

Se você é do tipo que começa qualquer roteiro de viagem pelas cafeterias que tem vontade de visitar e está de malas prontas rumo à Big Apple, está no lugar certo. As cafeterias em Nova York são um charme e opções não faltam. Tem para todos os gostos e estilos.

Confesso para vocês que, se estou viajando sozinha, troco o almoço e até o jantar pela oportunidade de conhecer mais uma cafeteria bacana. Se for daquelas históricas ou dentro de museus… Pode me esquecer. Fico o máximo de tempo que puder. E, se precisar carregar o celular, é a desculpa perfeita para entrar em mais alguma pelo caminho.

Eu estive em Nova York em 2014 e tomei muito café, mas na época não existia esse espaço e não fiquei tão atenta aos detalhes. Sabendo que tem muita coisa legal por lá, conversei com a Bruna Paraiso, uma das responsáveis pelo NYC Tips, e ela deu ótimas dicas.

NYC Tips te ajuda a encontrar o melhor em Nova York

A Bruna mora em Nova York há quase 5 anos e conta que o NYC Tips começou sem pretensão nenhuma: “Uns amigos meus vieram para cá e passamos a semana inteira andando pelos bairros, indo a restaurantes, etc… No último dia, estávamos jantando e eles falaram: ´Bru, nós só fomos em lugar legais. O que pode não ser mais novidade para você, para gente ainda é. Você devia divulgar essas dicas´”.

Em pouco tempo, ela sentiu os resultados e decidiu criar um site e as dúvidas não paravam de chegar! Além disso, ela faz roteiros personalizados. “Elaboro tudo de acordo com o perfil de cada cliente, desde os que nunca vieram até aqueles que já vieram 10 vezes e buscam algo diferente, aos olhos de quem vive aqui”. (Tem, inclusive, um canal no Youtube super legal!)

Agora que você já sabe um pouco sobre o trabalho da Bruna e percebeu que ela entende bem do que está falando, vamos tomar um cafezinho?

Ela disse pra gente que ama café e que toma, pelo menos, duas vezes por dia. “O meu dia não começa se não tomo um cafezinho preto. Tomo de manhã e depois do almoço para dar aquela acordada (risos). Após as 17h, eu não posso tomar de jeito nenhum, tenho insônia. O que é uma pena porque, muitas vezes, me dá uma super vontade depois do jantar”.

Para mim acordar e já sentir o cheirinho de café me faz lembrar que tenho mais um dia pela frente e fico feliz! Meu dia melhora muito depois do meu cafezinho.

Você vai gostar de ler:

Confira a seguir as dicas dela de cafeterias em Nova York:

Cafeterias em Nova York: o que não dá para perder?

Se você vai para Nova York e ama café, a dica da Bruna é andar pelo West Village. “Lá tem diversas opções deliciosas e tem até uma loja chamada Porto Rico Importing Co.(aberta desde 1907), com diversos tipos de grãos”, indica. Segundo ela, os funcionários explicam tudo sobre os cafés e é super bacana.

Agora, veja mais 3 recomendações:

1 . Bakeshop by Woops

548 Driggs Ave.
Brooklyn, NY 11211
Phone: 718-384-4410

(Esse é o endereço da unidade de Williamsburg. É só clicar no link ali em cima, no nome da cafeteria, que dá para consultar os outros).

Dica da Bruna: “Meu coffee shop preferido de NY e a melhor unidade é a de Williamsburg. É MUUUUITO charmoso, o café delicioso, e os docinhos e macarons são de comer rezando. Amo trabalhar de lá”.

2 . TAP NYC

267 Columbus Avenue.
New York, NY – 10023

Dica da Bruna: “É um coffee shop “brasileiro”. Tem tapiocas, o melhor pão de queijo, açaí… E o melhor: o cafezinho pode vir acompanhado até de um brigadeiro. Não tem melhor combinação”.

3 . Blue Bottle Coffee

São 12 unidades em Nova York. Consulte aqui o mais próximo de você.

Dica da Bruna: “Esse coffee shop é mais descolado, costuma até ser mais simples que os outros, mas eles tem um café gelado que eu adoro durante o verão. Café gelado para nós brasileiros pode parecer estranho, mas depois que experimentei fiquei viciada”.

No blog Cappuccino e Cia, tem mais dicas de cafeterias em Manhattan.

O que achou das dicas de cafeterias em Nova York? Conhece alguma delas ou quer acrescentar dicas na lista? Escreva nos comentários. Compartilhe nas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Fotos: Reprodução/Instagram/NYC Tips

Compartilhe com seus amigos:

O preço do café especial

Você já questionou o preço do café especial? Na cafeteria onde trabalho é só o que servimos. Sempre que aparece um cliente novo, a gente tenta explicar a proposta da loja e passar o máximo de informações sobre a bebida. Mesmo assim, algumas pessoas não entendem o motivo de termos uma pacotinho de café de 250g custando R$ 65. Alguns reclamam até do valor do espresso (R$ 5,50). Muitos locais servem café gourmet ou, pior, de commodity, e cobram mais que isso.

No final das contas, tudo acaba sendo uma questão de prioridade. Mas, é legal que as pessoas entendam a razão do preço do café especial. Vou compartilhar uma experiência que tive no Espírito Santo, na fazenda onde é cultivado esse café de R$ 65, o queridinho Paraíso.

Você vai gostar de ler:

Preço do café especial: entenda o caminho do cafezal à xícara

Eu e mais três pessoas saímos de São Paulo numa manhã de sexta-feira. Depois de 14 horas de estrada, chegamos à região de Castelo. No dia seguinte, acordamos bem cedinho para continuar a nossa aventura. Nos encontramos com o Edmilson. Ele nos apresentou ao proprietário da fazenda, Rondineli Sartori, que também já tinha sido guia turístico lá.

O nosso destino era a fazenda do Paraíso. No caminho, foram nos contando um pouco sobre aquele cenário lindo e montanhoso, lotado de pés de café. Fizemos uma parada e tivemos o prazer de conhecer o Carlos Alberto Altoé, produtor do Café Vale do Caxixe, também especial.

Entramos numa sala com um balcão com diversos métodos, equipamentos para embalar e uma máquina de torra de 10 kg. É nela que o Carlos desenvolve os perfis de torra da sua produção. Ele fez questão de preparar uma café pra gente, na Hario V60. Pela janela, a gente conseguia ver um pequeno terreiro suspenso cheio de grãos de Catuaí Vermelho.

Saindo de lá, fomos ao Sítio Bateia. Conhecemos o irmão do Rondineli, sua cunhada e sobrinhos. Nós, um pouco tímidos, preocupados por estar incomodando em pleno sábado. Eles, orgulhosos, explicavam pra gente tudo o que podiam, das variedades às técnicas de poda. Até almoço nos ofereceram! Depois de comer, fomos morro acima conhecer o cafezal.

Lá eles fazem colheita manual seletiva, vão colhendo somente os frutos maduros. Isso significa que as pessoas da colheita precisam passar várias vezes em um mesmo pé de café. Feito isso, eles separam os lotes em seus dois pequenos terreiros para os processos de pós-colheita.

Toda a família participa da produção. As crianças estudam e ajudam nas tarefas do sítio. Até a sobrinha do Rondineli, de 10 anos, me disse toda feliz que é ela a pessoa que mexe o café no terreiro. Depois disso, vocês podem imaginar que minha responsabilidade aumentou na hora de extrair o café deles lá na cafeteria, não é?

Esse café, que teve cuidados minuciosos para que pudesse desenvolver as características de um grão especial, vai para a cafeteria onde trabalho. O mestre de torra desenvolve um perfil para que nós, baristas bem treinados, tenhamos a possibilidade de extrair o melhor desse café. É um cuidado que se tem desde a plantação até a extração. É muita dedicação e estudo para que a gente possa oferecer a xícara perfeita.

Existe ainda uma escala de pontuação que vai até 100. Para ser considerado especial, o café precisa atingir no mínimo 80 pontos. O Paraíso foi pontuado com 92. Esse é o resultado de toda uma cadeia de produção que justifica o preço do café especial na prateleira.

Como tudo acaba em pizza, o nosso dia por lá não foi diferente. Jantamos em uma pizzaria e, conversando sobre tudo o que tinha acontecido, concluímos que todas as partes desse processo possuem uma importância enorme. O barista tem uma tarefa que vai além de tirar um bom espresso. Ele é quem deve fazer o papel de contar ao cliente tudo o que envolve a produção de um café especial e como as pessoas que se mantém nesse ramo simplesmente amam o que fazem. E isso tem um valor que não se calcula.

Eu tive um dos dias mais legais da minha vida. O melhor foi saber que eles também gostaram de nos receber. Acho que foi uma troca bem interessante. Hoje agradeço imensamente por ter a sorte de viver em um país produtor de cafés tão bons e ter a possibilidade de ver de perto a origem disso.

 

Cinthia Bracco atuou quase 9 anos nas áreas de Comunicação e Marketing, mas não conseguiu fugir do que realmente queria o seu coração. Em novembro de 2016 tornou-se barista profissional e trabalha em uma cafeteria, em São Paulo, onde vem aprendendo e se desenvolvendo em sua nova profissão. É vegana, tem um Bull Terrier chamado Tofu, fã de Battlestar Galactica e simplesmente adora comer. Em seu tempo livre, vai a cafeterias (sim, o barismo acaba fazendo parte da vida), brinca com o cachorro, cozinha, assiste séries/filmes e cuida de suas plantas.

Fotos: Cinthia Bracco

Compartilhe com seus amigos:

Como funciona uma fazenda de café?

Sempre tive vontade de saber como funciona uma fazenda de café, de conhecer mais a fundo como é todo o processo e o percurso do grão até chegar à xícara. Algumas oportunidades surgiram e não consegui comparecer. Até que no dia 23 de agosto deu certo, finalmente.

Litiene Andrighetti, do blog Cappuccino e Cia, e eu.

A convite da illy fui visitar uma das fazendas fornecedoras de café de qualidade para a marca italiana, aqui no Brasil. O destino era Pardinho, uma pequena cidade próxima de Botucatu, no interior do estado de São Paulo. Lá fica o Sítio Daniella, propriedade familiar da produtora Daniella Pelosini.

Sítio Daniella produz café de qualidade e premiado

A história do Sítio Daniella começou a ser escrita em 1977 pelo pai de Daniella, que chegou priorizar o investimento na produção de leite. Mas, foi só por um período até que o café voltasse a ser cultivado com força total por ali. Ainda bem.

Ainda bem porque estamos falando de 174 mil pés dos cafés Catuaí Amarelo e Vermelho a mil metros de altitude. A dedicação de Daniella rendeu alguns prêmios. Entre outros, ela é campeã do Prêmio Ernesto Illy de Qualidade do Café Para “Espresso” do Estado de São Paulo nos anos de 2016 e de 2017.

Daniella Pelosini e o marido, os anfitriões da visita

Você vai gostar de ler:

Agora, confira mais um pouquinho sobre a visita e entenda melhor como funciona uma fazenda de café:

Dia no Campo com illycaffè: como funciona uma fazenda de café?

Chegamos ao Sítio Daniella e fomos conhecer os processos pós-colheita, antes de ver o cafezal. Eles trabalham com Natural e Cereja Descascado.

O Natural é um dos processos mais comuns no Brasil porque o clima favorece e o custo é menor. Depois de colhidos, os grãos de café são lavados e espalhados nos terreiros expostos ao sol para a secagem. É um processo mais lento, com risco um pouco maior de fermentação quando comparado com o Cereja Descascado. Exige mais cuidado na hora de separar os grãos verdes dos cereja.

Cereja Descascado é um processo mais caro, com baixo risco de fermentação, que exige investimento em máquinas específicas e mão de obra treinada. Essas máquinas lavam e separam os grãos verdes dos maduros. Nesse processo, os maduros são descascados facilmente e, em seguida, e passam por um cuidadoso processo de secagem e beneficiamento.

 

Depois, seguimos para o cafezal. No Sítio Daniella, eles têm uma máquina que passa duas vezes pelos pés de café para colher os grãos maduros. Por último, os frutos maduros restantes são colhidos manualmente. A ideia é garantir o aproveitamento máximo da safra.

 

Do cafezal, fomos para a casa da fazenda da anfitriã, onde havia uma linda mesa de café da tarde com degustação dos cafés illy.

Café na cafeteira italiana (moka), no Hario V60, na French Press e também o espresso na máquina, com as cápsulas exclusivas da marca, foram preparados e apresentados pelo Piero de Farias, barista da illy.

 

Confira o vídeo do passeio feito pela Litiene, do Cappuccino e Cia:

Visite uma fazenda de café em Itu, perto de São Paulo

Você quer conhecer uma fazenda de café? A Fazenda Santo Antônio da Bela Vista, em Itu, também no interior de São Paulo, recebe grupos de pessoas para o tour “Do cafezal ao cafezinho”. Para saber mais detalhes desse passeio, confira o texto no blog Cappuccino e Cia.

O caminho do café até a xícara é longo. Que bom que temos tanto empenho e dedicação de pessoas tão apaixonadas por cafezinho quanto nós, não é?

(*) Viajei a convite da illycaffè.

Gostou de saber como funciona uma fazenda de café? Conte nos comentários e compartilhe nas suas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.     

Fotos: Maurício/MP Produtora

Compartilhe com seus amigos:

Cafezinho em Campos do Jordão é grátis em julho

Vamos tomar um cafezinho em Campos do Jordão? O convite para aproveitar o clima serrano das montanhas paulistas combina mesmo com o aconchego de um café passado na hora. Aproveitando a temporada de inverno 2017 da cidade, a marca Melitta está montando um espaço exclusivo para receber o público, com degustação de cafés feitos na hora.

Cafezinho em Campos do Jordão ajuda a espantar o frio

O espaço funciona de 01 a 30 de julho, em um dos principais pontos do Centro Turístico de Campos do Jordão: na Avenida Doutor Vítor Godinho, nº 44.

Você vai gostar de ler:

Além de preparar o cafezinho e servir na hora, os baristas da equipe estão aptos para explicar as características do produto escolhido e vão dar várias dicas do método de preparo. Tudo com o intuito de proporcionar aos moradores e turistas da cidade uma experiência diferente com o café.

No cardápio, estarão disponíveis as seguintes opções:

Passado na hora – café puro;

Macchiato – café com cremosa espuma do leite;

Cappuccino – café polvilhado com cacau e leite cremoso;

Mocaccino – café, leite condensado, leite cremoso e chantilly.

Quem passar pelo local, pode ficar à vontade para escolher a quantidade e os sabores que quiser.

Leia também:

Espaço Melitta em Campos do Jordão 2017

Endereço: Avenida Doutor Vítor Godinho, nº 44 – Vila Capivari – Campos do Jordão/SP

Data: 01 a 30 de julho de 2017

Horário: 12h às 20h

Vamos tomar um cafezinho em Campos do Jordão e curtir o friozinho? Conte sua opinião nos comentários e compartilhe nas redes sociais, com a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Foto: Divulgação

Compartilhe com seus amigos:

Café suspenso é tradição na Itália. Já ouviu falar?

A tradição do café suspenso tem origem na cidade de Nápoles, no Sul da Itália. Não se sabe exatamente como tudo começou, mas é certo que foi no período da Segunda Guerra Mundial. Em um tempo de tanta escassez, o café suspenso era – e ainda é – considerado um pequeno gesto de gentileza protagonizado pelo café: você paga o seu e deixa mais um pago para o próximo cliente que não tiver condições financeiras, tudo de forma anônima.

Você vai gostar de ler:

Café suspenso: de Nápoles para o mundo

A história do café suspenso começou em Nápoles e, aos poucos, foi se espalhando pelo resto da Itália e para outros países do mundo. Hoje, até mesmo cafeterias no Brasil praticam a ideia. Alguns lugares são mais organizados quanto a isso: ou fazem uma lista dos cafés suspensos e deixam no caixa para controle ou deixam um recipiente no balcão para que os recibos sejam depositados. Assim, quem não tem como pagar, entra, pega o recibo e toma o seu café. Claro, que depende muito da honestidade de quem atende, mas aí já é outra história.

Tomar café na Itália faz parte da cultura e é também um ato social. É um bom motivo para fazer aquela pausa no meio do dia, bater um papo e descansar a cabeça, além do que essa é uma boa maneira – e barata – de se fazer o bem sem olhar a quem. Afinal, todo mundo merece um cafezinho, né?

Experiência da Editora na Itália

Como surgiu no Sul da Itália, a prática do café suspenso é mais comum à medida que se chega mais perto de lá. Passei exatos 3 meses no Norte da Itália, para fazer o processo da minha cidadania italiana, e uma das tradições que eu mais queria ver de perto era essa.

Fiquei perto da cidade de Treviso, na região do Veneto. Foi lá na cidade de Istrana que encontrei essa plaquinha. Na legenda tem a tradução:

Essa foi a única cafeteria de todas que eu fui que encontrei um aviso sobre o café suspenso. Acho provável que tenha em muitas das que eu estive, mas não é tão explícito. Esse ano pretendo retornar à Itália e aí, sim, vou visitar todas as cafeterias que ficaram só na vontade.

Aqui no Brasil sei que isso acontece em alguns lugares porque já vi pela internet e pelas redes sociais, mas, de fato, nunca presenciei um estabelecimento que pratique o café suspenso por aqui. Quem conhecer algum bacana pode colocar nos comentário que eu vou amar saber.

De coração, torço para que essa iniciativa se espalhe. Acho lindo o poder transformador que o café pode oferecer para a sociedade.

Comece você a corrente do café suspenso

Deixo aqui uma sugestão para fazer na Itália, no Brasil ou onde você estiver: quando parar para tomar um cafezinho e puder, é claro, deixe mais um pago. Avise ao atendente para oferecer a quem não puder pagar. Comece a corrente. Quem sabe você não inspira mais alguém pelo caminho!

Leia também:

O que achou da tradição do café suspenso? Conte sua opinião nos comentários e compartilhe com seus amigos usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo.  

Foto de destaque: Pixabay

Compartilhe com seus amigos:

Café Starbucks vai abrir megaloja em Chicago, nos EUA

Se você é apaixonado pelo café Starbucks, vai gostar dessa notícia. A maior rede de cafeterias do mundo anunciou na última quarta-feira, dia 26, que vai abrir uma megaloja, como essa da foto, na cidade de Chicago, nos Estados Unidos, em 2019.

Você vai gostar de ler:

O que vai ter de diferente na loja do Café Starbucks de Chicago?

Essa loja do café Starbucks vai estar na Michigan Avenue, uma das ruas comerciais mais conhecidas do mundo. Lá, os consumidores vão poder curtir o ambiente e acompanhar todo o processo de preparo do café, desde a torra até a embalagem, de forma interativa. Além disso, bebidas novas e exclusivas serão servidas por lá.

E mais: lá vai ser possível encontrar os cafés com lotes limitados, que são lançados pela marca de tempos em tempos, e também vai ter cardápio especial para almoço e jantar.

Serão 4 andares, totalizando 43 mil metros quadrados, totalmente dedicados a uma verdadeira experiência tanto com o café como com a marca. Ou seja, poderemos morar lá!

O Chicago Reserve® Roastery é a terceira loja do café Starbucks que segue esse conceito nos Estados Unidos. A primeira foi aberta em Seattle, em dezembro de 2014. Em Nova York, a previsão é de que seja aberta em 2018. Existem planos de abrir também em Xangai e Milão, no final de 2017, e em Tóquio, com previsão para 2018.

Leia também:

Tem notícia melhor para quem ama tomar #UmCafezinhoPeloMundo? O que achou da notícia do novo café Starbucks em Chicago? Conte para os seus amigos e compartilhe nas suas redes sociais. 

Foto: Divulgação/Starbucks

Compartilhe com seus amigos:

Nesta cafeteria em Kyoto você passa o dia com Pugs

Quem aí gosta de cachorro? Difícil encontrar quem não goste e quem não conheça essas carinhas mais fofinhas tão populares nas redes sociais. Tem uma cafeteria em Kyoto, no Japão, que, além de cafezinho, te oferece a oportunidade de passar um tempinho com pugs.

Leia também:

Pugs fazem sucesso em cafeteria em Kyoto

O nome da cafeteria é Dog Salon Living Room e é lá que estão 11 lindos Pugs para te fazer companhia durante o café. Um verdadeiro time de futebol pet que só tem amor para oferecer para quem passa por lá.

Quem quiser passar por essa experiência fofa maravilhosa, pode escolher entre duas opções: pagando R$ 14 (500 yen) uma pessoa pode pedir até uma bebida e ficar por lá até uma hora ou pagando R$ 28 (1000 yen) uma pessoa pode passar o dia todo curtindo os pets e tomando cafezinhos ilimitados. Já pensou que delícia?

O Dog Salon Living Room, cafeteria em Kyoto, funciona das 13h às 17h no horário local e é preciso fazer reserva com antecedência. O local é fechado às terças e quartas.

O endereço é Kyoto-fu, Kyoto-shi, Ukyo-ku, Saiinnakamizu-cho 18-4.

Para fazer reservas, o número de telefone é 075–874–7989.

Você vai gostar de ler:

Vamos tomar um cafezinho no Japão com essas fofuras?

O que achou dessa cafeteria em Kyoto? Coisa mais linda, né, gente? Compartilhe com seus amigos nas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. Conhece mais alguma cafeteria com temática diferente pelo mundo? Conte aí nos comentários. 

Fotos: Reprodução/©RocketNews24

Compartilhe com seus amigos:

Café mais bonito do mundo fica em Budapeste, na Hungria

O New York Café abriu suas portas em 1894, em Budapeste, na Hungria. Em seleção feita pelo UCityGuides ele foi considerado o café mais bonito do mundo. É maravilhoso mesmo! Tão lindo que emociona. Logo que eu entrei, uma pequena orquestra tocava música clássica bem ao fundo, na parte superior. Assim que terminou, o pianista, que estava posicionado do outro lado do salão, começou o seu show. Teve, inclusive, “Garota de Ipanema”.

Não tem como não se emocionar, a sensação é de que se está voltando no tempo, entrando em um livro de história. Falando nisso, vou contar um pouco da história do lugar para vocês.

A história do café mais bonito do mundo

O New York fica no edifício Grand Boulevard, um dos mais lindos de Budapeste. Tudo começou no século XIX, mais precisamente em 1894, e era o ponto de encontro de intelectuais e artistas da época. A alta sociedade não era tão adepta ao local como era esperado porque não gostava das esculturas na parte externa, que lembram diabos. Isso, por sua vez, agradava aos artistas e intelectuais.

Você vai gostar:

Foto: Site Oficial/Reprodução

Os atendentes eram especialmente treinados para saber os hábitos e horários dos seus clientes, um diferencial considerável para a época. Com o passar do tempo e os períodos de guerra, o New York passou por períodos de pausa e trocas de gerência até que em fevereiro de 2001 o grupo italiano Boscolo comprou o prédio para instalar o Boscolo Hotel Budapest e, então, restaurar o café, preservando toda a história e o tanto que cultura que está guardada ali.

A decoração é repleta de mármore, veludo vermelho, ouro e bronze, além de abajures venezianos, que são verdadeiras obras de arte. O teto é um show à parte, com afrescos de Gusztáv Mannheimer e Ferenc Eisenhut, trazendo referências de meados dos anos 1800.

Foto: Site Oficial/Reprodução

Desde 2006, quando acabou a reforma, é possível parar para observar e saborear um cafezinho ou mesmo jantar. Para quem não quer ter surpresa na hora da conta, dá para consultar o cardápio e os preços em euros pelo site.  Uma verdadeira viagem à Belle Èpoque com cafés excelentes. Vale a visita!

New York Café – Budapeste

Erzsébet körút 9-11, Budapeste, Hungria.

Funciona de segunda a domingo, das 8h às 00h.

O que você achou do café mais bonito do mundo? Já passou por lá ou tem vontade de conhecer? Conte nos comentários ou compartilhe nas redes sociais usando a hashtag #UmCafezinhoPeloMundo. 

Foto de destaque: Site Oficial/Reprodução

Compartilhe com seus amigos: