Tipos de café: conheça quais são eles

Hoje em dia a gente ouve falar muito do café arábica. Talvez seja o primeiro que muitos imediatamente se lembram quando pensam sobre os tipos de café. Para algumas pessoas, só essa informação é sinônimo de alta qualidade. O café, no entanto, é mais que isso. Ele tem sua origem e determinados processos até chegar à nossa mesa.

Leia também:

Sempre que vou falar sobre esse assunto lembro da minha viagem ao Espírito Santo. Ouvi falar que lá há um produtor de Robusta que, em uma sessão de cupping, teve seu café pontuado com mais de 80, ou seja, classificado por eles como café especial.

No Brasil, a classe de cafés especiais é, sem dúvida, composta basicamente por Arábica e a BSCA certifica apenas cafés dessa origem. Essa história nos permite pensar que precisamos analisar outras variáveis para saber se o que estamos consumindo realmente tem tanta qualidade assim.  O que vai definir se um café é bom pra gente, independente de pontuação, vai ser o nosso paladar. Porém, vale dar uma olhada no pacotinho se há informações como: produtor, fazenda, região, altitude, torra e variedade. E é nesse ponto que eu queria chegar. Vamos desmistificar um pouquinho alguns dos nomes relacionados ao café que a gente ouve por aí.

Conheça um pouco mais sobre os tipos de café

Coffea

O café é uma árvore da família Rubiaceae e do gênero Coffea, do qual algumas de suas espécies nos possibilitaram criar uma bebida incrível. Foram classificadas 124 espécies, mais do que há 20 anos, o que significa que outras variedades estão surgindo.

As espécies Coffea são encontradas principalmente na África, Ásia e Austrália, mas apenas duas delas são cultivadas para o mercado consumidor: C. Arabica e C. Canephora – mais conhecidas por nós como Arábica e Robusta.  

Robusta

A C. Canephora é nativa da África Ocidental. Primeiramente, suas mudas foram plantadas em Java e, posteriormente, espalhadas praticamente para todos os países produtores.

Assim como o Árabica, o Robusta também desenvolveu diversas variedades, sendo que muitas são resultado do cruzamento com o Arábica. Plantadas geralmente em altitudes mais baixas, pois é onde elas melhor se desenvolvem. Estão mais sujeitas às pragas, o que influencia o seu teor de cafeína, que é mais alto se comparado ao Arábica.

Ao contrário de países como Indonésia e Índia, onde cafés Robusta são conhecidos por sua alta qualidade, no Brasil é cultivada a variedade Conilon, usada principalmente para baratear o custo dos cafés industrializados. Visto por muito tempo como sinônimo de baixa qualidade, esse cenário vem mudando nos últimos anos e gerando uma certa discussão no mercado.

Em agosto deste ano, na Feira Sabores da Terra que aconteceu em Vitória (ES), a Fazenda Venturim apresentou seu café 100% Conilon. Os irmãos Isaac e Lucas acreditam que um Robusta de origem conhecida e de produção feita com foco na qualidade, pode, sim, levar ao consumidor uma ótima bebida. Através do projeto Robusta Especial, eles vêm aperfeiçoando seu processo produtivo.

O Coffee Quality Institute possui em seu programa de identificação e classificação de cafés de qualidade uma vertente focada em cafés Robusta chamado Q Robusta. Para mais detalhes, visitem o site dedicado ao programa.

Arábica

As informações sobre como a C. Arabica se espalhou pelo mundo são divergentes, o que torna incerta a sua verdadeira história. Sabe-se que, das árvores nativas da Etiópia e do Sudão, somente algumas foram levadas para fora da África. Chegaram ao Iêmen para depois se espalharem pelos outros países. As árvores eram da variedade Typica, também conhecida na época como o café comum. No Brasil, era chamada de Café Nacional ou Crioulo.

Em nosso país, são produzidas muitas variedades de Arábica, como Catuaí, Bourbon, Mundo Novo, Catucaí, entre outros. O Arábica é conhecido por sua complexidade aromática e acidez. Os brasileiros, destacam-se principalmente por sua doçura e corpo marcante.

São cultivadas em altitudes mais altas, acima de 800m. Seu teor de cafeína é de 1%, enquanto o Robusta apresenta mais de 2%. Considerando a safra 2016/2017, o Arábica representa cerca de 62% da produção mundial e teve um aumento de 32% na última década. O Robusta cresceu quase 22%.

Devo admitir que quando se trata dos tipos de café tenho bebido bem mais Arábica a Robusta, até mesmo pela praticidade, já que este chega com mais qualidade às nossas xícaras de uma maneira mais fácil. Porém, escrever esse texto me deixou curiosa e com a mente mais aberta.

Costumo dizer que não existe uma verdade única e absoluta quando o assunto é café. Cada produtor utiliza de uma técnica. Cada mestre de torra desenvolve o perfil de um jeito. Cada cafeteria desenvolveu ou aderiu a uma certa maneira de preparar os cafés e assim por diante. Falar sobre tipos de café, para mim, comprova mais uma vez essa forma de pensar. O próximo passo agora é tentar comprar um pacotinho de Conilon pra experimentar.

O que vocês acharam dos tipos de café? Será que realmente tem Robusta de alta qualidade no Brasil? Alguém aqui já provou um café 100% Conilon?

 

 

Cinthia Bracco atuou quase 9 anos nas áreas de Comunicação e Marketing, mas não conseguiu fugir do que realmente queria o seu coração. Em novembro de 2016 tornou-se barista profissional e trabalha em uma cafeteria, em São Paulo, onde vem aprendendo e se desenvolvendo em sua nova profissão. É vegana, tem um Bull Terrier chamado Tofu, fã de Battlestar Galactica e simplesmente adora comer. Em seu tempo livre, vai a cafeterias (sim, o barismo acaba fazendo parte da vida), brinca com o cachorro, cozinha, assiste séries/filmes e cuida de suas plantas.

Foto de destaque: depositphotos

Compartilhe com seus amigos:

Um comentário em “Tipos de café: conheça quais são eles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *